sicnot

Perfil

Desporto

Miguel Oliveira vence prova de moto3 do Grande Prémio de Itália

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) venceu hoje o Grande Prémio de Itália, no circuito de Mugello, tornando-se o primeiro luso a vencer no campeonato do mundo de motociclismo de velocidade.

© Jon Nazca / Reuters

Depois de ter saído da 11.ª posição da grelha de partida, Miguel Oliveira assumiu pela primeira vez a liderança a 12 voltas do fim e, apesar de ter perdido várias vezes o comando, conseguiu vencer a sexta prova do Mundial.

Na primeira curva da última volta, o português caiu para a quarta posição, mas conseguiu, na última das 20 voltas da corrida, recuperar e entrar na última curva em primeiro, sustendo depois o ataque do britânico Danny Kent (Honda), líder do Mundial.

"Sim, tive medo [de perder liderança na reta da meta], mas senti deste ontem [sábado] que era mais forte na última curva e que podia chegar ali à frente. Foi um grande dia para mim. Estou muito feliz", disse, ainda antes de subir ao pódio para ouvir pela primeira vez o hino numa prova do Mundial.

Oliveira cumpriu as 20 voltas em 39.39,510 minutos, menos 71 milésimos do que Kent e 127 do que o italiano Romano Fenati (KTM).

No Mundial, o português subiu quatro posições e é agora quarto classificado, com 66 pontos, com Kent a liderar com 124, à frente do italiano Enea Bastianini (Honda), com 78, e Benati, com 67.

O piloto natural de Almada era o único português que já tinha conseguido subir ao pódio no Mundial de motociclismo de velocidade, o que fez em cinco ocasiões, sendo que o melhor resultado era o segundo lugar conquistado no Grande Prémio da Austrália, em 2012, e de Espanha, em 2015.


Lusa



  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.