sicnot

Perfil

Desporto

Direção do FC Barcelona demite-se para sufragar futuro do clube

A direção do FC Barcelona demitiu-se hoje para abrir caminho à realização de novas eleições destinadas a auscultar os sócios sobre "o que querem para o clube nos próximos seis anos".

Josep Maria Bartomeu, presidente do FC Barcelona.

Josep Maria Bartomeu, presidente do FC Barcelona.

© Juan Medina / Reuters

"Apresento a minha demissão para permitir a realização de novas eleições. Os sócios devem agora escolher que modelo querem para o clube nos próximos seis anos", disse em conferência de imprensa o presidente do clube catalão, Josep Maria Bartomeu.

A antecipação das eleições decidida pela atual direção - cujo mandato termina apenas em 2016 -- é vista como uma forma de Bartomeu responder aos seus críticos. 

Apesar da conquista do 'triplete' -- campeonato, taça e Liga dos Campeões -, o clube catalão tem sido palco de tensões, nomeadamente entre o treinador Luís Enrique e o avançado argentino Lionel Messi no início da época, bem como de casos judiciais envolvendo a transferência do brasileiro Neymar. 

"Defenderei o meu modelo para o clube porque acredito que trabalhámos bem e o FC Barcelona deve continuar a liderar o futebol mundial", disse Bartomeu.

Na corrida pela presidência do clube catalão pode entrar, entretanto, Joan Laporta, que já liderou o FC Barcelona entre 2003 e 2010.

Lusa
  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48