sicnot

Perfil

Desporto

José Antonio Reyes renova com o Sevilha até 2017

O futebolista espanhol José Antonio Reyes, que terminava contrato com o Sevilha no final do mês, assinou um novo vínculo com os detentores da Liga Europa até 2016/17.

Reyes, de 31 anos, que, entre outros, representou o Benfica em 2008/09, estreou-se com 16 anos na primeira equipa do Sevilha, tendo realizado um total de 219 jogos, 37 dos quais na última época, em que a equipa espanhola reconquistou a Liga Europa. (Arquivo)

Reyes, de 31 anos, que, entre outros, representou o Benfica em 2008/09, estreou-se com 16 anos na primeira equipa do Sevilha, tendo realizado um total de 219 jogos, 37 dos quais na última época, em que a equipa espanhola reconquistou a Liga Europa. (Arquivo)

© Jon Nazca / Reuters

Reyes, de 31 anos, que, entre outros, representou o Benfica em 2008/09, estreou-se com 16 anos na primeira equipa do Sevilha, tendo realizado um total de 219 jogos, 37 dos quais na última época, em que a equipa espanhola reconquistou a Liga Europa.

Depois da estreia pela primeira equipa do Sevilha em 1999/2000, pela mão do treinador Joaquin Caparrós, Reyes saiu na temporada de 2003/04 para os ingleses do Arsenal.

Posteriormente, representou Real Madrid (2006/07), Atlético de Madrid (2007/12) e Benfica (2008/09). Reyes regressou ao Atlético de Madrid até ser transferido para o Sevilha, em 2011/12.

Pelo Sevilha, com o treinador Unai Emery, o médio conquistou duas Liga Europa, em 2013/14 e 2014/15.
Lusa
  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31