sicnot

Perfil

Desporto

Selecionador italiano desvaloriza ausência de Ronaldo e odeia a palavra "derrota"

O selecionador italiano de futebol, António Conte, desvalorizou hoje a ausência de Cristiano Ronaldo no encontro de terça-feira frente a Portugal e revelou que odeia a palavra "derrota", mesmo em jogos particulares.

© Antonio Bronic / Reuters

"Odeio a palavra derrota. Odeio. Os meus jogadores sabem muito bem disso. Não vejo nenhuma diferença com uma partida oficial. Quero ganhar e quero que os meus jogadores sintam o mesmo", afirmou António Conte em conferência de imprensa de antevisão do encontro que vai decorrer no Estádio de Genebra, na Suíça.

O treinador italiano considerou que o confronto com Portugal vai ser um "teste interessante" para a formação transalpina, mesmo com a ausência de Cristiano Ronaldo, que foi dispensado da seleção portuguesa após o encontro do último sábado na Arménia (3-2), de qualificação para o Euro2016. 

"Todas as equipas quem a sua própria gestão e todos os jogadores chegam ao final da temporada cansados. Mas, também, nenhuma equipa é composta por um único jogador, mesmo por Ronaldo, que é um fenómeno. Portugal tem outros grandes jogadores, jogadores de qualidade, e por isso vai ser um teste interessante", referiu.

Mesmo sendo um encontro particular e num período habitual de férias, António Conte pediu "paixão, sacrifício e entusiasmo" aos seus jogadores.

"Só jogar pela seleção é um grande estímulo e os jogadores devem sentir isso", frisou o treinador de 41 anos.

Naquele que será o 25.º jogo da história entre Portugal e Itália, o veterano guarda-redes Buffon é baixa certa na seleção transalpina, assim como o médio Daniele De Rossi, ambos devido a lesão.

Há quase 40 anos que a 'squadra azzurra' não sofre um desaire perante Portugal e venceu mesmo os últimos seis encontros perante a seleção lusa. A última derrota aconteceu em 1976, no antigo Estádio José Alvalade, por 2-1, também em jogo de preparação.

O jogo entre Portugal e Itália está agendado para as 20:30 (19:30 horas de Lisboa) e terá arbitragem do suíço Stephan Studer.







Lusa
  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.