sicnot

Perfil

Desporto

Blatter defende maior escrutínio dos responsáveis da FIFA

Joseph Blatter defende um maior escrutínio dos responsáveis da FIFA. Na coluna de opinião que assina na revista semanal da organização, Blatter alude à proposta de reforço do escrutínio na FIFA defendida pelo presidente da Federação de Futebol da Alemanha. 

Tsafrir Abayov

O presidente demissionário do organismo disse ainda que esta reforma tem sido bloqueada pela UEFA. Blatter defende ainda um reforço de poderes de África e da Ásia na FIFA. 

O dirigente está desde o início de maio no centro de um escândalo de corrupção em que são suspeitos alguns dos principais responsáveis da FIFA, incluindo o secretário-geral da organização, Jérôme Valcke.  O escândalo de corrupção foi revelado dias antes das eleições para a presidência do organismo, às quais Blatter, de 70 anos, se recandidatou a um quinto mandato. Quatro dias depois da vitória, Joseph Blatter, demitiu-se. 

A data para as novas eleições ainda não foi divulgada. 
  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46