sicnot

Perfil

Desporto

Presidente do Catania detido com mais seis pessoas por viciação de resultados

O presidente do clube de futebol Catania foi hoje detido com mais seis pessoas pela polícia italiana, sob acusação de ter 'comprado' jogos da Serie B (segunda divisão) para impedir a descida de divisão da equipa.

Antonino Pulvirenti, à direita.

Antonino Pulvirenti, à direita.

© STRINGER Italy / Reuters

Para além do presidente da formação siciliana, Antonino Pulvirenti, e do seu diretor financeiro, foram também detidos o ex-diretor desportivo do clube e quatro empresários ligados ao futebol, todos acusados de fraude e viciação de resultados.

Em declarações ao canal SkyTg24, o presidente da Serie B, Andrea Abodi, disse sentir "uma grande dor" e pediu esclarecimentos "o mais depressa possível", para que, em caso de confirmação, "a resposta seja dura".

O procurador Giovanni Salvi explicou hoje, em conferência de imprensa, que são seis os jogos sob suspeita, todos disputados entre 19 de março e 02 de maio.

O advogado de Pulvirenti já reagiu e disse que o presidente "está convencido de poder demonstrar que não está ligado às acusações imputadas".

O Catania, que desceu à Serie B no final da temporada 2013/2014, terminou esta época em 15º lugar, três lugares acima do 'play-off' de permanência.


Lusa
  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.