sicnot

Perfil

Desporto

Britânico Geraint Thomas está "bem" depois de bater com a cabeça num poste

O ciclista britânico Geraint Thomas, sexto classificado e lugar-tenente do camisola amarela Chris Froome (Sky), sofreu esta segunda-feira uma aparatosa queda na Volta a França, tendo saído ileso depois de embater com a cabeça num poste de eletricidade.

O susto não passou disso mesmo, com o galês a regressar rapidamente à estrada, depois de trocar de bicicleta, e perdeu apenas 38 segundos para os restantes favoritos, incluindo o seu líder Froome.

O susto não passou disso mesmo, com o galês a regressar rapidamente à estrada, depois de trocar de bicicleta, e perdeu apenas 38 segundos para os restantes favoritos, incluindo o seu líder Froome.

© Benoit Tessier / Reuters

Com pouca experiência nas descidas da Volta a França, o jovem Warren Barguil (Giant-Alpecin) não conseguiu travar a tempo numa curva e abalroou Thomas, que, apesar de ter colocado o pé no chão, não evitou uma saída em frente. O britânico bateu com a cabeça no poste elétrico, antes de cair entre a folhagem da berma.

O susto não passou disso mesmo, com o galês a regressar rapidamente à estrada, depois de trocar de bicicleta, e perdeu apenas 38 segundos para os restantes favoritos, incluindo o seu líder Froome.

"Estou bem. Bati com a cabeça num poste, mas estou bem. Sinto-me bem por agora. Imagino que o médico me vá perguntar o meu número e a data do meu nascimento", desvalorizou o vencedor da Volta ao Algarve deste ano.

Thomas contou que "um simpático francês" o tirou do pequeno declive e lamentou ter perdido os seus óculos, que são a sua imagem de marca. "Já nem os fazem", frisou.

Barguil, por seu turno, culpou o norte-americano Tejay Van Garderen, terceiro na geral, por ter perdido o controlo da sua bicicleta, garantindo que o ciclista da BMC lhe tocou.

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.