sicnot

Perfil

Desporto

FIA retira número 17 da Fórmula 1 em homenagem a Jules Bianchi

A Federação Internacional do Automóvel (FIA) anunciou esta segunda-feira que irá retirar o número 17 do Mundial de Fórmula 1, como homenagem ao piloto francês Jules Bianchi, que faleceu na sexta-feira, nove meses depois de um acidente no Japão.

Bianchi faleceu na última sexta-feira, depois de nove meses em coma, na sequência de um despiste no Grande Prémio do Japão, no Circuito de Suzuka. (Arquivo)

Bianchi faleceu na última sexta-feira, depois de nove meses em coma, na sequência de um despiste no Grande Prémio do Japão, no Circuito de Suzuka. (Arquivo)

© Tim Chong / Reuters

"Jean Todt, presidente da Federação Internacional de Automobilismo anunciou hoje que o número 17 vai ser retirado do Campeonato do Mundial de Fórmula 1 em homenagem a Jules Bianchi", pode ler-se no site do organismo.

Bianchi faleceu na última sexta-feira, depois de nove meses em coma, na sequência de um despiste no Grande Prémio do Japão, no Circuito de Suzuka.

Sob condições atmosféricas adversas, devido à chuva e reduzida visibilidade, o francês, que conduzia o Marussia número 17, colidiu com uma grua que retirava o Sauber acidentado do alemão Adrian Sutil da gravilha.

Após o aparatoso acidente, o piloto foi de imediato transportado para o hospital de Mie, no Japão, no qual foi operado às graves lesões na cabeça, ficando desde esse dia em coma, estado do qual nunca chegou a recuperar.

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.