sicnot

Perfil

Desporto

Portugal no pote 1, França e Itália no pote 2 do sorteio da qualificação para Mundial2018

França e Itália foram "despromovidas" ao pote 2 do sorteio da zona europeia de qualificação ao Mundial2018 de futebol, com Roménia e País de Gales a assumirem, tal como Portugal, o estatuto de cabeças de série.

TATYANA ZENKOVICH/EPA

Tendo por base o ranking FIFA de junho, o pote 1, dos cabeças de série, vai ser constituído por Alemanha, Bélgica, Holanda, Portugal, Inglaterra, Espanha, Croácia, Roménia e País de Gales, com os dois últimos a serem a surpresa do alinhamento do sorteio confirmado hoje pela FIFA.

Numa subida "vertiginosa", os galeses, fruto dos bons resultados dos últimos meses, avançaram 12 posições no 'ranking' e são agora a 10.ª seleção da hierarquia da FIFA. Já a Roménia subiu quatro posições e ocupa agora o oitavo posto, logo atrás de Portugal, que é a sétima seleção de uma tabela liderada pela Argentina.

Fora do grupo de favoritos ficaram a Itália e a França, que foram despromovidas ao pote 2. Os italianos, tetracampeões mundiais, desceram quatro posições e são a 17.ª equipa da hierarquia, enquanto a França caiu 13 posições, para o 22.º posto.

O sorteio para a fase de qualificação do Mundial de Futebol de 2018, que se realizará na Rússia, decorre no sábado, na cidade de São Petersburgo.

Constituição dos potes da qualificação europeia:

- Pote 1: Alemanha, Bélgica, Holanda, Portugal, Roménia, Inglaterra, País de Gales, Espanha e Croácia.

- Pote 2: Eslováquia, Áustria, Itália, Suíça, República Checa, França, Islândia, Dinamarca e Bósnia-Herzegovina.

- Pote 3: Ucrânia, Escócia, Polónia, Hungria, Suécia, Albânia, Irlanda do Norte, Sérvia e Grécia.

- Pote 4: Turquia, Eslovénia, Israel, Irlanda, Noruega, Bulgária, Ilhas Faroé, Montenegro e Estónia.

- Pote 5: Chipre, Letónia, Arménia, Finlândia, Bielorrússia, Macedónia, Azerbaijão, Lituânia e Moldávia.

- Pote 6: Cazaquistão, Luxemburgo, Liechtenstein, Geórgia, Malta, São Marino e Andorra.

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.