sicnot

Perfil

Desporto

Benfica perde com Fiorentina nos penáltis (5-4)

galeria de fotos

O bicampeão Benfica manteve-se sexta-feira sem vencer na pré-época, ao perder por 5-4 com os italianos da Fiorentina, no desempate por grandes penalidades, após 90 minutos sem golos, em East Hartford, no Connecticut, Estados Unidos.

CJ GUNTHER

CJ GUNTHER/ EPA

CJ GUNTHER

CJ GUNTHER

CJ GUNTHER

CJ GUNTHER

CJ GUNTHER

CJ GUNTHER

CJ GUNTHER

No segundo encontro na Internacional Champions Cup, e depois do 2-3 com o Paris Saint-Germain, o conjunto de Rui Vitória esteve bem defensivamente, não sofrendo golos, mas, ofensivamente, quase não criou oportunidades.

O jogo foi sempre equilibrado, com o Benfica a ter mais tempo a bola, tendência que se alterou a partir dos 66 minutos, com a expulsão de Luisão, e a Fiorentina a ter a melhor ocasião, num remate ao 'ferro' de Ilicic, o melhor em campo, aos 56.

Em relação ao embate com o Paris SG, Rui Vitória procedeu a três alterações, colocando André Almeida, Fejsa e Jonathan Rodríguez nos lugares de Sílvio, Pizzi e Lima, que o Al Ahli, dos Emirados Árabes Unidos, já anunciou como seu reforço.

O Benfica entrou com André Almeida, Luisão, Jardel e Eliseu à frente de Júlio César, um meio campo com Fejsa, mais recuado, e Samaris ao meio, Talisca, na direita, e Gaitán, na esquerda, e um ataque com Jonas nas costas de Jonathan Rodríguez.

O jogo começou equilibrado, tendo os 'viola' efetuado o primeiro remate, sem perigo, por Ilicic, aos sete minutos, com o Benfica, inicialmente a falhar muitos passes, a ripostar aos 15, por Jonathan, que proporcionou boa defesa a Sepe.

Marcos Alonso (27 e 45+1 minutos) e Ilicic (28) deram, depois, expressão a uma Fiorentina mais rematadora, enquanto Jonathan Rodríguez voltou a ameaçar a equipa italiana (36), valendo o corte salvador de Basanta.

A primeira grande ocasião de golo chegou aos 56 minutos, quando Ilicic atirou à barra, após assistência de Borja Valero, e teve resposta imediata de Jonas, que recuperou a bola, enquadrou-se com a baliza e, em boa posição, rematou mal.

Começaram, então, as 'intermináveis' substituições, com as coisas a complicarem-se para o Benfica aos 66 minutos, quando Luisão, o único bicampeão admoestado, viu o segundo amarelo e foi expulso, deixando a equipa reduzida a 10.

No 'intervalo' das alterações, a Fiorentina teve mais tempo a bola e construiu três boas ocasiões para marcar, sempre com Ilicic como protagonista: atirou ao lado aos 67 e 88 minutos, a primeira vez de livre, e assistiu Rebic aos 89, valendo ao Benfica a pronta intervenção de Júlio César.

Já na parte final dos descontos, aos 90+3 minutos, os 'encarnados' poderiam ter marcado, quando Bagadur, num atraso para o seu guarda-redes, quase fez um autogolo.

Com a Internacional Champions Cup não contempla empates, o jogo foi para o desempate por grandes penalidades, com o reforço 'encarnado' Carcela a ser o único a falhar (defesa de Lezzerini), precisamente no 10.º e último pontapé.

Jogo no Rentschler Field, em East Hartford, Connecticut.

Benfica - Fiorentina, 0-0 (4-5 nas grandes penalidades).

Marcadores nas grandes penalidades:

0-1, Pasqual.

1-1, André Almeida.

1-2, Badelj.

2-2, Pizzi.

2-3, Ilicic.

3-3, Sílvio.

3-4, Rebic.

4-4, Nelson Oliveira.

4-5, Mauro Suarez.

4-5, Carcela (defesa de Lezzerini).

Equipas:

- Benfica: Júlio César, André Almeida, Luisão, Jardel, Eliseu (Sílvio, 58), Fejsa (Lisandro López, 84), Samaris (Pizzi, 59), Talisca (Ola John, 59), Gaitán (Carcela, 85), Jonas (Nelson Oliveira, 84) e Jonathan Rodriguez (Cristante, 72).

Treinador: Rui Vitória.

- Fiorentina: Sepe (Lezzerini, 73), Tomovic (Bagadur, 76), Gonzalo Rodríguez (Pasqual, 73), Basanta (Roncaglia, 59), Marcos Alonso (Fazzi, 59), Vecino (Badelj, 59), Borja Valero (Hegazi, 74), Joaquín (Diakhaté, 72), Bernardeschi (Mauro Suarez, 72), Ilicic e Babacar (Giuseppe Rossi, 46, Rebic, 76).

Treinador: Paulo Sousa.

Árbitro: Sorin Stoica (Estados Unidos).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Basanta (15), Gonzalo Rodríguez (29), Luisão (29 e 66), Marcos Alonso (35), Ilicic (43), Hegazi (74) e Badelj (90). Cartão vermelho por acumulação de amarelos para Luisão (66).

Assistência: Cerca de 20.000 espetadores.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.