sicnot

Perfil

Desporto

Jackson Martinez diz que "Atlético tem equipa para lutar com Real Madrid e Barcelona"

O ex-avançado do FC Porto, Jackson Martinez considerou hoje, no dia da sua apresentação, que o Atlético Madrid tem equipa para lutar com o Real Madrid e o FC Barcelona pela conquista da Liga espanhola de futebol.

© Susana Vera / Reuters

"As primeiras impressões são as de ter chegado a uma equipa com espírito de compromisso, com fome de títulos e um nível de exigência alto", disse Jackson Martinez, que destaca ainda Diego Simeone, um técnico "muito exigente e que se faz respeitar".

Meia centena de jornalistas aguardavam o avançado colombiano, autor de 92 golos em 132 jogos nas últimas três temporadas no Dragão, na sala vip do estádio Vicente Calderón, onde surgiu ao lado da mulher, dos dois filhos e do presidente do clube, Enrique Cerezo.

"Sem dúvida que o Atlético tem equipa para lutar pela Liga com o Real Madrid e o FC Barcelona, mas temos de o fazer em campo. Isso requer trabalho e um novo ciclo para se alcançar os objetivos", disse Jackson Martinez, para quem a proposta do Atlético foi "a mais clara, concreta e séria" que recebeu.

Sobre Diego Simeone não regateou elogios: "É um técnico com grande capacidade de trabalho, que deposita confiança em cada um dos seus jogadores, mesmo naqueles que não entram no onze. Estou aqui para ajudá-lo a alcançar títulos".

Questionado sobre a Liga espanhola, considerou que "tem jogadores espetaculares", mas reconheceu que dois deles, Lionel Messi e Cristiano Ronaldo "estão acima dos outros" e são aqueles que "marcam a diferença".

Na apresentação de Jackson Martinez no Vicente Calderón marcaram presença nas bancadas oito mil pessoas, entre adeptos do Atlético Madrid e compatriotas colombianos.

O presidente do clube, Enrique Cerezo, enalteceu o novo reforço da equipa, dizendo que "conquistou um lugar entre os melhores dianteiros do mundo" e realçou o seu "caráter, capacidade de trabalho, esforço e espírito de superação".

"O FC Porto descobriu nele um futebolista com faro goleador e conseguiu contratá-lo. Agora, Jackson pertence ao nosso plantel e aumenta ainda mais a competência da equipa numa posição-chave", disse o principal responsável diretivo dos 'colchoneros'.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.