sicnot

Perfil

Desporto

Paulo Machado pede desculpa aos adeptos do Dínamo Zagreb por "ato irrefletido"

O futebolista português Paulo Machado pediu esta quarta-feira desculpa ao Dínamo Zagreb e aos seus adeptos pela forma como reagiu na sequência da sua substituição, no encontro que terminou empatado 1-1 frente aos noruegueses do Molde.

Paulo Machado, que foi substituído por Marko Rog aos 65 minutos, reagiu mal aos assobios vindos da bancada e fez gestos obscenos dirigidos aos adeptos do Dínamo Zagreb, num "ato irrefletido" que levou o árbitro belga Serge Gummieny a expulsá-lo. (Arquivo)

Paulo Machado, que foi substituído por Marko Rog aos 65 minutos, reagiu mal aos assobios vindos da bancada e fez gestos obscenos dirigidos aos adeptos do Dínamo Zagreb, num "ato irrefletido" que levou o árbitro belga Serge Gummieny a expulsá-lo. (Arquivo)

Thanassis Stavrakis / AP

"Peço desculpa aos meus colegas de equipa porque não pude ajudá-los a vencer o jogo. Peço desculpa aos adeptos do Dínamo de Zagreb por tê-los desapontado e também ao clube porque sempre me deu todas as condições para fazer o meu trabalho", afirmou o médio português na sua página oficial do Facebook.

O internacional português, de 29 anos, pediu também desculpa aos seus filhos, pelo mau exemplo, e ao seu pai, que fazia anos na terça-feira e ao qual tinha prometido a vitória no jogo da primeira mão da terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões.

Paulo Machado, que foi substituído por Marko Rog aos 65 minutos, reagiu mal aos assobios vindos da bancada e fez gestos obscenos dirigidos aos adeptos do Dínamo Zagreb, num "ato irrefletido" que levou o árbitro belga Serge Gummieny a expulsá-lo, quando já se encontrava sentado no banco de suplentes.

O médio português, que vai iniciar a segunda época na equipa croata, na qual é companheiro dos compatriotas Eduardo, Ivo Pinto e Gonçalo Santos, acrescentou ainda que vai arcar com todas as consequências do ato cometido.

O Dínamo Zagreb, que venceu os últimos dez campeonatos da Croácia, desloca-se à Noruega a 4 de agosto para disputar a segunda mão da terceira pré-eliminatória frente ao Molde.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.