sicnot

Perfil

Desporto

José Mourinho atirou medalha de derrotado para a bancada [outra vez]

José Mourinho atirou medalha de derrotado para a bancada [outra vez]

Na final da Supertaça de Inglaterra, o treinador português lançou a medalha de derrotado para a bancada e ignorou o técnico adversário.

José Mourinho começou a época a perder. Mas no final fez questão de esperar pelos vencedores.

Cumprimentou todos os jogadores do Arsenal mas depois virou costas ao treinador adversário, Arsene Wenger.

Há muito que ambos têm uma relação tensa e conflituosa.

De seguida, no curto caminho até aos balneários, José Mourinho abrandou o passo e decidiu lançar a medalha para a bancada.

Um jovem adepto do Arsenal ganhou o dia. Viu a vitória da equipa e levou uma recordação de prata.

Mais tarde, José Mourinho explicou que não costuma guardar medalhas de finalista e que assim até ofereceu um bom presente à criança.

Esta não foi a primeira vez que o treinador atirou uma medalha para as bancadas. Em 2006, fez o mesmo mas na altura tratou-se de uma medalha de ouro pela conquista do campeonato. Mais tarde, o objeto acabou por render cerca de 30 mil euros em leilão.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.