sicnot

Perfil

Desporto

Telma Monteiro considera "muito injusta" a desqualifcação nos Mundiais de judo

Telma Monteiro considera "muito injusta" a desqualifcação nos Mundiais de judo

Telma Monteiro considerou "muito injusta" a desqualificação de que foi alvo hoje nos Mundiais de judo, num desabafo em que refere que talvez tenha sido penalizada por não ser de um país potência da modalidade.

"Depois de estar a fazer uma competição de grande nível, perdi o combate que me dava acesso à luta pelo 3º lugar com uma expulsão muito injusta! Talvez por ser de um país ''pequeno'', talvez por não ser atleta de umas daquelas potências do judo mundial", escreveu a campeã da europa na sua conta no Facebook.

A judoca, quatro vezes vice-campeã mundial, foi afastada no quadro da repescagem, no combate de acesso à luta pelo bronze, com os juízes a entenderem que realizou uma técnica irregular.

O combate com Sumiya Dorjsuren, terceira judoca na hierarquia mundial, tinha pouco mais de 1.20 minutos -- numa fase em que a mongol já tinha recebido dois castigos -- quando o árbitro desqualificou a portuguesa, por indicação dos juízes de mesa, após recurso ao vídeo.

Num ataque, Telma Monteiro falhou a projeção e tentou de imediato uma 'chave' de braço, mas os juízes consideraram que judoca do Benfica realizou a técnica de forma direta (de pé para o solo), o que é irregular e levou à sua eliminação.

Face a esta decisão, que deixou Telma com um sétimo lugar nos -57 kg, a judoca manifestou a sua revolta na rede social, dizendo que desta vez escrevia sem filtros e porque merecia fazê-lo, reiterando a injustiça que sentiu.

"Mas eu sou de Portugal, com muito orgulho. E esperem que esta ''portuguesinha'' vai voltar ainda mais forte! Na minha cabeça mando eu, e eu sigo mais forte do que nunca", acrescentou.

A judoca, que diz ter consciência do seu valor, finalizou agradecendo a todos os que trabalham ela e que a ajudaram na preparação para o Mundial, entre os quais o treinador japonês Go Tsunoda.

Lusa

  • Mulher detida ao tentar atropelar polícias junto ao Capitólio, em Washington

    Mundo

    Agentes da polícia abriram fogo contra uma mulher (e não um homem, ao contrário do que inicialmente se disse) que conduzia um carro perto do Capitólio e tentava atropelá-los, segundo o Departamento da Polícia Metropolitana de Washington. A mulher foi detida mas a polícia garante que não se tratou de um ato terrorista.

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.