sicnot

Perfil

Desporto

Kris Boeckmans ainda em coma induzido devido a queda na volta a Espanha

O ciclista belga Kris Boeckmans (Lotto Soudal), que sofreu uma queda grave na oitava etapa da Volta a Espanha, ainda está em coma induzido num hospital de Múrcia, mas já sem respiração assistida.

© Jon Nazca / Reuters

De acordo com o boletim médico divulgado hoje pela equipa Lotto Soudal, Kris Boeckmans já não tem respiração assistida, nem drenagem pulmonar, mas conta com a ajuda um tubo traqueal.

"Nos próximos dias veremos como se pode ir diminuindo o coma induzido", adianta a nota clínica, lembrando que o ciclista sofreu politraumatismos que irão "demorar algum tempo para curar".

O ciclista da Lotto-Soudal foi o mais afetado pela queda coletiva que sucedeu na oitava etapa, a 50 quilómetros da meta, em Múrcia, sendo transportado para o hospital com um traumatismo craniano grave.

O corredor, de 28 anos, sofreu um traumatismo craniano grave, tendo sofrido ainda uma comoção cerebral, três costelas partidas e uma hemorragia pulmonar.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.