sicnot

Perfil

Desporto

Nuno Barros conquista medalha bronze no Mundial de canoagem de maratonas em C1

O português Nuno Barros conquistou hoje a medalha de bronze em C1 nos Mundiais de canoagem de maratonas, o segundo pódio de Portugal na competição que decorre em Gyor, na Hungria.

Nuno Barros concluiu os 26,1 quilómetros em 2:06.20 horas, a 2.43 minutos do húngaro Marton Kover, que bateu o espanhol Manuel António campos por 12 segundos.

Na sexta-feira, João Amorim sagrou-se campeão do Mundo júnior de canoas, igualmente em C1.

Nuno Barros, que já tinha sido terceiro nos Europeus deste ano, repetiu o bronze mundial de 2014, sendo que o seu melhor resultado foi alcançado em 2010 quando se sagrou campeão do mundo.

A jornada não correu tão bem para o bicampeão europeu José Ramalho, pois foi quarto em K1, longe do trio que conquistou o pódio.

O sul-africano Hank McGregor impôs-se ao 'sprint' no fim dos 30 quilómetros, em 2:02.06 horas, batendo o húngaro Adrián Boros por 0,750 segundos e o espanhol Ivan Alonso por 1,319.

José Ramalho, campeão da Europa em 2011, 2014 e 2015, perseguia um inédito título mundial - o melhor que conseguiu foi a medalha de prata, em 2013, e as de bronze, em 2009 e 2014 -- mas concluiu em quarto a 42 segundos do vencedor.

Alfredo Faria foi 12.º a 4.23 minutos, um dia depois de Miguel Rodrigues ter concluído o K1 sub-23 em 10.º.

No domingo competem os K2 sénior Fábio Cameira/Nuno Henriques e o júnior Daniel Brito/Luis Ferreira.

Lusa

  • José Eduardo dos Santos há 38 anos no poder
    2:42

    Mundo

    José Eduardo dos Santos foi o segundo Presidente com mais tempo de liderança a nível mundial, quase 38 anos. Este ano, anunciou que não voltaria a concorrer às eleições, mas mantêm-se, por enquanto, como presidente do MPLA. No dia em que os angolanos foram às urnas para escolher o seu sucessor, apresentamos a vida de José Eduardo dos Santos.

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.