sicnot

Perfil

Desporto

Tenista Pennetta vence final do US Open e anuncia despedida do circuito

Flavia Pennetta conquistou hoje o primeiro 'Grand Slam' na vertente singulares da carreira, ao derrotar a compatriota Roberta Vinci, por 7-6 (7-4) e 6-2, numa inédita final 100% italiana após a qual anunciou a sua retirada.

© Mike Segar / Reuters

Sair pela 'porta grande' talvez seja a melhor forma de classificar a última época de Pennetta, já que, após conquistar o maior título da sua carreira, e momentos antes de receber a taça, a italiana anunciou que se irá retirar do circuito profissional no final da temporada, depois de 15 anos no WTA.

"Esta é a forma de que mais gostaria de dizer adeus ao ténis. Creio que é o que todos os jogadores desejam, sair a ganhar um grande troféu", explicou.

Na final com idades combinada mais elevada da era Open (66 anos e 19 dias), e na primeira que opôs duas italianas, a lógica do 'ranking' acabou por prevalecer, com a número 26 da hierarquia a 'bater' à 43.ª.

O primeiro 'set', equilibrado, acabou por ser decidido no 'mata-mata', com Pennetta a superiorizar-se no 'tie-break' por 7-4, num parcial que teve a duração de uma hora.

Já no segundo, Vinci pareceu acusar a derrota no primeiro 'set' e acabou também por 'pagar a fatura' do cansaço acumulado depois da dura 'batalha' na meia-final de sexta-feira, frente à número um mundial Serena Williams, acabando derrotada por claros 6-2.

"Foi duro. Estava muito cansada. Perdi a final, mas estou muito contente comigo e também pela Flavia", afirmou Vinci.

Em apenas 33 minutos, Pennetta conquistou o parcial que lhe garantiu o primeiro título de um 'major' em singulares, depois de sair vitoriosa em pares na edição de 2011 do Open da Austrália, sucedendo assim à norte-americana Serena Williams, vencedora das últimas três edições.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.