sicnot

Perfil

Desporto

Investigação à FIFA pode alargar-se a outros, Justiça suíça apreende apartamentos

A justiça norte-americana prevê intentar "ações contra outras pessoas e organizações" no âmbito da investigação de corrupção no futebol e à FIFA, revelou hoje a procuradora dos Estados Unidos Loretta Lynch.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Arnd Wiegmann / Reuters

"O curso do nosso inquérito não está limitado (...) e admitimos acusar outras pessoas e organizações", disse a responsável pela justiça norte-americana em Zurique, na Suíça, em relação ao caso que já motivou acusações contra 14 pessoas.

Lynch falou do processo, que acusou nove ex-dirigentes e cinco empresários ligados ao marketing desportivo, em conferência de imprensa conjunta com o procurador-geral da Suíça, Michael Lauber.

No âmbito da investigação, conduzida pelos Estados Unidos e por Lynch, procuradora em Nova Iorque, estão ações levadas a cabo nos últimos 25 anos e em causa estarão subornos na ordem dos 150 milhões de dólares (cerca de 140 milhões de euros).

Questionada se Joseph Blatter, presidente demissionário da FIFA, será ouvido pela investigação norte-americana, Lynch evitou entrar em detalhes e, de forma irónica, disse não comentar o programa de viagens do dirigente de 79 anos.

A FIFA conhecerá o sucessor de Blatter nas eleições agendadas para 26 de fevereiro, num congresso extraordinário do organismo.

Também na conferência, o procurador suíço, Michael Lauber, revelou que, no âmbito da investigação à atribuição dos Mundiais de 2018 à Rússia e de 2022 ao Qatar, foram apreendidos ativos financeiros e que os mesmos incluem apartamentos nos alpes suíços.

Numa analogia às regras e ao jogo de futebol, o responsável referiu que "a investigação ainda está longe do intervalo".

Sem referir quaisquer nomes dos proprietários, Michael Lauber explicou que os investimentos nos apartamentos nos alpes podem ter servido para lavagem de dinheiro, acrescentando existirem movimentos bancários suspeitos em 121 contas, já assinaladas.

A 27 de maio, as autoridades suíças detiveram sete dirigentes da FIFA, sob a acusação de corrupção.

As detenções foram fruto da colaboração entre as instâncias judiciais suíças e a procuradoria de Nova Iorque, que os acusa de terem aceitado subornos e comissões desde os anos 90, a troca de favores.

Nesse mesmo dia, o ministério público suíço abriu uma investigação a alegados atos de corrupção nas eleições das sedes para os Mundiais de 2018 (na Rússia) e 2022 (no Qatar).

Entre os sete detidos, seis permanecem em Zurique, à espera de extradição, e outro, Jeff Webb, já foi entregue às autoridades norte-americanas.

A FIFA foi abalada por este escândalo de corrupção em maio, a dois dias da reeleição de Joseph Blatter para a presidência do organismo, no processo aberto pela justiça dos Estados Unidos e que levou a acusações a 14 dirigentes e ex-dirigentes.

O príncipe jordano Ali bin Al Hussein, antigo vice-presidente da FIFA, o francês Michel Platini, presidente da UEFA, o sul-coreano Chung Mong-Joon, também antigo vice-presidente da FIFA, e o ex-futebolista brasileiro Zico já anunciaram que são candidatos à liderança da FIFA.

Lusa

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.