sicnot

Perfil

Desporto

Investigação à FIFA pode alargar-se a outros, Justiça suíça apreende apartamentos

A justiça norte-americana prevê intentar "ações contra outras pessoas e organizações" no âmbito da investigação de corrupção no futebol e à FIFA, revelou hoje a procuradora dos Estados Unidos Loretta Lynch.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Arnd Wiegmann / Reuters

"O curso do nosso inquérito não está limitado (...) e admitimos acusar outras pessoas e organizações", disse a responsável pela justiça norte-americana em Zurique, na Suíça, em relação ao caso que já motivou acusações contra 14 pessoas.

Lynch falou do processo, que acusou nove ex-dirigentes e cinco empresários ligados ao marketing desportivo, em conferência de imprensa conjunta com o procurador-geral da Suíça, Michael Lauber.

No âmbito da investigação, conduzida pelos Estados Unidos e por Lynch, procuradora em Nova Iorque, estão ações levadas a cabo nos últimos 25 anos e em causa estarão subornos na ordem dos 150 milhões de dólares (cerca de 140 milhões de euros).

Questionada se Joseph Blatter, presidente demissionário da FIFA, será ouvido pela investigação norte-americana, Lynch evitou entrar em detalhes e, de forma irónica, disse não comentar o programa de viagens do dirigente de 79 anos.

A FIFA conhecerá o sucessor de Blatter nas eleições agendadas para 26 de fevereiro, num congresso extraordinário do organismo.

Também na conferência, o procurador suíço, Michael Lauber, revelou que, no âmbito da investigação à atribuição dos Mundiais de 2018 à Rússia e de 2022 ao Qatar, foram apreendidos ativos financeiros e que os mesmos incluem apartamentos nos alpes suíços.

Numa analogia às regras e ao jogo de futebol, o responsável referiu que "a investigação ainda está longe do intervalo".

Sem referir quaisquer nomes dos proprietários, Michael Lauber explicou que os investimentos nos apartamentos nos alpes podem ter servido para lavagem de dinheiro, acrescentando existirem movimentos bancários suspeitos em 121 contas, já assinaladas.

A 27 de maio, as autoridades suíças detiveram sete dirigentes da FIFA, sob a acusação de corrupção.

As detenções foram fruto da colaboração entre as instâncias judiciais suíças e a procuradoria de Nova Iorque, que os acusa de terem aceitado subornos e comissões desde os anos 90, a troca de favores.

Nesse mesmo dia, o ministério público suíço abriu uma investigação a alegados atos de corrupção nas eleições das sedes para os Mundiais de 2018 (na Rússia) e 2022 (no Qatar).

Entre os sete detidos, seis permanecem em Zurique, à espera de extradição, e outro, Jeff Webb, já foi entregue às autoridades norte-americanas.

A FIFA foi abalada por este escândalo de corrupção em maio, a dois dias da reeleição de Joseph Blatter para a presidência do organismo, no processo aberto pela justiça dos Estados Unidos e que levou a acusações a 14 dirigentes e ex-dirigentes.

O príncipe jordano Ali bin Al Hussein, antigo vice-presidente da FIFA, o francês Michel Platini, presidente da UEFA, o sul-coreano Chung Mong-Joon, também antigo vice-presidente da FIFA, e o ex-futebolista brasileiro Zico já anunciaram que são candidatos à liderança da FIFA.

Lusa

  • Voluntários portugueses rumam ao México com cães de salvamento
    1:59

    Mundo

    Nuno Vieira e Marco Saraiva são voluntários de Braga. Com os seus dois cães, "Koi" e "Yuki", formam uma equipa de resgate e partem esta noite para o México, para ajudar na busca e salvamento de vítimas do terramoto que abalou o país esta terça-feira. A equipa portuguesa faz parte de uma ONG espanhola.

  • Furacão Maria deixa rasto de destruição em Porto Rico
    1:16
  • Sabe onde fica a Nambia? Algures em África, segundo Trump

    Mundo

    "O sistema de saúde na Nambia é incrivelmente autossuficiente", declarou o Presidente dos Estados Unidos num discurso proferido num almoço com líderes africanos. No encontro, realizado esta quarta-feira à margem da 72.ª Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque, Donald Trump repetiu o erro. Os utilizadores das redes sociais não perdoaram mais este "lapso" do chefe de Estado norte-americano.

  • DGS garante que não há perigo de dengue
    2:09
  • Episódio da Abelha Maia censurado por queixas de obscenidade

    Cultura

    A plataforma digital Netflix viu-se obrigada a retirar um episódio da Abelha Maia depois das queixas de pais norte-americanos por causa de um "desenho obsceno", em forma de pénis. Aparentemente, terá sido só removido para quem acede nos EUA dado que, ao que a SIC pôde constatar, a partir de Portugal o episódio 35 está disponível.

  • Yoko Ono obriga limonada "John Lemon" a mudar de nome

    Cultura

    A viúva do Beatle John Lennon ameaçou processar uma empresa de bebidas polaca por causa da limonada "John Lemon". Yoko Ono não terá gostado do trocadilho entre Lennon e Lemon (limão, em inglês) e quer ver toda e qualquer garrafa com este rótulo retirada do mercado.

  • Restaurante em prisão na Colômbia serve comida confecionada por detidas
    1:04