sicnot

Perfil

Desporto

Proença justifica jogos em dia de eleições com regulamentos e prazos a cumprir

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, justificou hoje a marcação de jogos para o domingo das eleições legislativas, a 4 de outubro, com a necessidade de se fazer cumprir regulamentos e prazos.

Pedro Proença, questionado sobre as potenciais implicações que possam advir do facto de quatros jogos da sétima jornada da I Liga decorrerem no dia das eleições, referiu que a LPFP fez todos os possíveis para que não se realizassem jogos no domingo.

"A Liga é uma organização que tem que fazer cumprir os regulamentos internacionais e nacionais e aquilo que nós fizemos foi, percebendo que esta era uma situação absolutamente extraordinária, tentar que não houvesse jogos no domingo", referiu.

O dirigente adiantou que deu todas as explicações que entendeu necessárias e que acha que qualquer pessoa perceberá que há competições antes do dia das eleições e que têm que ser cumpridas horas de descanso dos atletas, que entram na manhã de segunda-feira ao serviço das seleções.

"Havia que fazer cumprir todos estes prazos regulamentares e a Liga, em concordância com os clubes, chegou ao único prazo que havia e que era o de marcar alguns jogos para o domingo", adiantou Pedro Proença.

União da Madeira-Benfica, Sporting de Braga-Arouca, FC Porto-Belenenses e Sporting-Vitória de Guimarães são os jogos da sétima jornada da I Liga que decorrerão no domingo das eleições legislativas.

"Obviamente que fazemos e faremos sempre um apelo ao voto. Criámos todas as condições para que isso aconteça e apelamos a todos os portugueses que no domingo [04 de outubro] votem", disse ainda Pedro Proença, que falava à margem da apresentação da primeira transmissão de futebol em realidade virtual.

O jogo de domingo entre o FC Porto e o Benfica, no Estádio do Dragão - de acordo com a LPFP - será o primeiro em todo o mundo a ser transmitido ao vivo, com multicâmaras, através dos óculos de realidade virtual Gear VR, que permite ao utilizador a possibilidade de usufruir de uma experiência imersiva de 360 graus.

Esta tecnologia inovadora e pioneira, para já apenas disponível numa loja da marca Samsung no Fórum Almada, mas que dá corpo a um projeto a implementar num futuro próximo, já foi testada por Pedro Proença, que considerou a experiencia "extraordinária".

"É realmente um grande impacto ver o jogo por este sistema. Vê-se o jogo de uma forma verdadeiramente diferente", constatou Pedro Proença, que não escondeu a sua surpresa mesmo tendo em conta que, enquanto árbitro, via os jogos dentro das quatro linhas.

Lusa

  • Jogos de futebol marcados para o dia das eleições
    1:27

    Desporto

    A comissão Nacional de Eleições considera grave a marcação de jogos de futebol para o dia das eleições legislativas. Não há nada na lei que impeça que isso aconteça, mas a Liga de Futebol costuma seguir a recomendação do Ministério da Administração Interna de não haver competição em domingo de votos. No próximo dia 4 de Outubro, pela primeira vez em Portugal, haverá ida às urnas e aos estádios.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.