sicnot

Perfil

Desporto

Confederação Brasileira recorre do castigo a Neymar para Tribunal Arbitral do Desporto

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) apresentou hoje um recurso no Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) do castigo de quatro jogos aplicado pela Confederação sul-americana (Conmebol) e pela FIFA a Neymar.

Francisco Seco

O avançado do FC Barcelona foi punido com quatro jogos de suspensão na Copa América, após o jogo em que o Brasil perdeu com a Colômbia (1-0) e falhou depois disso o último jogo no grupo (com a Venezuela) e os quartos de final (com o Paraguai).

De acordo com o TAS, a CBF pretende revogar a decisão de Neymar falhar os dois próximos jogos oficiais do Brasil, a 08 e 13 de outubro, frente ao Chile e à Venezuela, na qualificação para o Mundial2018 de futebol.

A CBF defende que a sanção deve limitar-se à competição na qual o jogador recebeu o castigo, no caso a Copa América.

De acordo com o árbitro do jogo em que Neymar foi expulso já depois do apito final, o internacional 'canarinho' não só atirou a bola contra o jogador Pablo Armero, como tentou dar uma cabeçada a um outro adversário, além de insultar o juiz.

"Como todas as partes estão de acordo com a celeridade do procedimento, a decisão deverá ser conhecida no início de outubro", refere o TAS.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.