sicnot

Perfil

Desporto

Nico Rosberg na 'pole' do Grande Prémio do Japão de Fórmula 1

O piloto alemão da Mercedes Nico Rosberg conquistou este sábado a 'pole position' para o Grande Prémio do Japão, 14.ª prova do mundial de Fórmula 1, que se realiza no domingo.

Nico Rosberg consegue a segunda 'pole position' da temporada e a 17.ª da sua carreira.

Nico Rosberg consegue a segunda 'pole position' da temporada e a 17.ª da sua carreira.

© Reuters Staff / Reuters

Nico Rosberg consegue a segunda 'pole position' da temporada e a 17.ª da sua carreira, deixando para trás o seu companheiro britânico Lewis Hamilton, que ficou em segundo lugar.

O tempo de 1:32.584 obtido por Rosberg foi suficiente para conseguir a primeira posição de saída para a prova de domingo, devido a um acidente do piloto russo Daniil Kvyat (Red Bull), que chocou contra as proteções da pista, mas sem consequências graves para o piloto.

Este acidente motivou o levantamento da bandeira vermelha na pista, que determina a suspensão da etapa, quando faltava menos de um minuto para o final da sessão, invalidando uma última tentativa de todos os pilotos.

Depois de Rosberg e Lewis Hamilton ficaram o finlandês Valtteri Bottas (Williams) e o alemão Sebastian Vettel (Ferrari).

Em quinto lugar ficou o brasileiro Felipe Massa (Williams), seguido pelo finlandês Kimi Raikkonen (Ferrari), pelo australiano Daniel Ricciardo (Red Bull), pelo francês Romain Grosjean (Lotus), pelo mexicano Sergio Pérez (Force India) e pelo russo Daniil Kvyat (Red Bull).

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.