sicnot

Perfil

Desporto

APAF desafia Bruno de Carvalho a provar alegados aliciamentos a árbitros

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) está a analisar as declarações do presidente do Sporting sobre alegados aliciamentos a árbitros por parte do Benfica e desafiou Bruno de Carvalho a provar o que disse na TVI24.

"Estamos a analisar essas declarações, que são muito recentes. Aquilo que jamais iremos admitir é que ponham em causa a idoneidade das nossas equipas de arbitragem. Se têm algo que possam provar que o provem, porque nós seremos também os primeiros a fazê-lo", disse hoje à agência Lusa o presidente da APAF.

Na segunda-feira, o presidente do Sporting denunciou na TVI24 alegados aliciamentos a árbitros feitos pelo Benfica, referindo que, por ano, o valor que os 'encarnados' despendem em jantares e prendas ronda "um quarto de milhão de euros".

Fontelas Gomes garantiu que os "os árbitros cumprem à risca as instruções do código de ética da UEFA", segundo o qual podem aceitar ofertas até 200 francos suíços (183 euros), e referiu que a oferta de camisolas "é uma prática feita por toda a Europa".

O presidente da APF explicou que os árbitros, se virem "algo que não se enquadre dentro desses parâmetros, devem reportá-lo às autoridades competentes e no relatório de jogo".

Fontelas Gomes assegurou que a APAF nunca teve conhecimento de qualquer violação desse regulamento: "Nunca tivemos qualquer 'report' de que houvesse algo que fosse anormal, por isso estamos perfeitamente tranquilos em relação aquilo que são as práticas por essa Europa fora.

Contactada pela Lusa, fonte do Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol, garantiu que o organismo "está em permanente contacto com a APAF e sempre empenhado em salvaguardar o bom nome dos árbitros".

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras