sicnot

Perfil

Desporto

José Peseiro é o novo treinador dos egípcios do Al Ahli

O treinador português José Peseiro é o novo treinador da equipa egípcia do Al Ahli, vencedor de 37 campeonatos de futebol do seu país, para a época 2015/16, cujo início está marcado para o final de outubro.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Mohamad Dabbouss / Reuters

Segundo anunciou o clube na sua página oficial, Peseiro, antigo treinador do Sporting e treinador adjunto do Real Madrid, chegará ao Egito nas próximas horas para assinar contrato, antes de assumir oficialmente o cargo, e iniciará o trabalho a partir do próximo dia 15.

O Al Ahli ficou em segundo lugar no campeonato da época passada, conquistado pelo rival Zamalek, que juntou ao título a Taça do Egito.

A chegada de Peseiro, que rende o técnico egípcio Fathi Mabruk, ocorre depois da eliminação do Al Ahli, clube com mais títulos em África, na meia-final da Taça das Confederações Africanas frente à equipa sul-africana dos Orlando Pirates.

O treinador português, de 54 anos, orientou a equipa saudita do Al Hilal entre 2006 e 2007, a seleção da Arábia Saudita entre 2009 e 2011 e, desde 2013, o Al Wahda, dos Emirados Árabes Unidos.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.