sicnot

Perfil

Desporto

Brahimi, Aboubakar e Heldon nomeados para melhor jogador africano de 2015

Brahimi e Aboubakar, do FC Porto, e Heldon, do Rio Ave, são candidatos ao prémio de melhor futebolista africano 2015 a jogar fora do continente, numa lista de 37 jogadores divulgada no domingo pela Confederação Africana de Futebol (CAF).

Reuters

O médio argelino Brahimi repete a presença do ano passado, numa lista na qual não consta o nome do seu compatriota Islam Slimani, jogador do Sporting.

Quem também volta a figurar na lista é o avançado camaronês Vincent Aboubakar, que já apontou seis golos em nove partidas ao serviço dos 'dragões'.

Uma das grandes novidades é a inclusão do cabo-verdiano Heldon. O extremo, de 26 anos, alinha no Rio Ave por empréstimo do Sporting.

Na lista figuram ainda os nomes do argelino Soudani, antigo jogador do Vitória de Guimarães, e do Ganês Christian Atsu, antigo extremo do FC Porto.

No ano passado, o prémio foi entregue ao costa-marfinense Yaya Touré, do Manchester City, com o gabonês Pierre-Emerick Aubameyang, do Borussia Dortmund, a ocupar o segundo lugar e o nigeriano Vincent Enyeama, do Lille, a completar o pódio.

Para além do prémio de melhor jogador a alinhar em clubes fora de África, a CAF irá também entregar o prémio de melhor jogador a atuar em África, numa lista de 24 nomeados.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.