sicnot

Perfil

Desporto

Figo considera Raúl um jogador "incrível" que "caminha sobre o relvado"

O antigo internacional português Luís Figo e o técnico italiano Fabio Capello consideram o avançado espanhol Raúl, que anunciou o abandono do futebol, um jogador "incrível" e um "ganhador".

Figo e Raúl foram colegas de equipa no Real Madrid entre 2000 e 2005. (Arquivo)

Figo e Raúl foram colegas de equipa no Real Madrid entre 2000 e 2005. (Arquivo)

© Reuters Photographer / Reuters

"Raúl caminha sobre o relvado e surpreende. É absolutamente incrível", escreveu o português Figo na sua conta oficial na rede Twitter em relação ao jogador do NY Cosmos, com quem jogou no Real Madrid de 2000 a 2005.

Na quinta-feira, Raúl, de 38 anos, anunciou que vai pôr um ponto final na sua carreira em novembro, quando a temporada da Liga norte-americana de futebol terminar.

"Quando assinei pelo Cosmos em dezembro disse que analisaria a minha continuidade em função de como me fosse encontrando. Não foi fácil tomar esta decisão, mas é o momento idóneo", reconheceu o emblemático futebolista espanhol, que recentemente foi ultrapassado na lista de melhores marcadores de sempre do Real Madrid por Cristiano Ronaldo.

Também o técnico italiano Fabio Capello, que orientou o Real Madrid em 1996/97 e 2006/07 e teve Raúl no plantel, deixou grandes elogios ao antigo internacional espanhol.

"É um ganhador. É a herança do Real Madrid", referiu o italiano.

No momento despedida, são muitos os que deixam elogios: o francês David Trezeguet falou do "muito que representa Raúl para o futebol" e o inglês David Beckam disse, quando questionado em relação ao recorde que Cristiano Ronaldo bateu, que o espanhol "é como um Deus".

O espanhol jogou durante 16 anos no Real Madrid, depois de estrear-se com apenas 17 anos na equipa principal. Com o conjunto 'blanco' conquistou, entre outros títulos, seis ligas espanholas, quatro supertaças e três ligas dos campeões.

Até 30 de setembro, o eterno capitão 'madridista' era o maior goleador da história do Real Madrid, estatuto que perdeu para o português Cristiano Ronaldo que nesse dia, ao 'bisar' frente ao Malmö, na Liga dos Campeões, passou a somar 324 golos com a camisola dos 'merengues', ou seja, mais um.

Em 2010, o espanhol rumou aos alemães do Schalke 04, que representou durante duas épocas antes de se mudar para o Al-Saad, do Qatar, no qual jogou dois anos e do qual se despediu em março de 2014. Após uma retirada momentânea dos relvados, assinou pelo Cosmos em dezembro do ano passado.

O avançado disputou 102 jogos internacionais com a camisola da Espanha e é o segundo melhor marcador da seleção espanhola, atrás de David Villa.

Lusa

  • Proteção Civil desmobiliza meios em Setúbal

    País

    A Proteção Civil vai começar a desmobilizar, hoje à tarde, meios de combate ao incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal e que já está em fase de rescaldo, disse à agência Lusa o vereador da Proteção Civil Municipal.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • Portugal condenado por decisão "discriminatória e preconceituosa"
    1:19

    País

    Portugal voltou a ser condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, desta vez por causa de uma decisão discriminatória e preconceituosa. Trata-se do caso da mulher a quem o Supremo Tribunal Administrativo baixou o valor de uma indemnização por negligência médica. Entre os vários argumentos usados, os juízes portugueses consideraram que a sexualidade é menos importante quando se tem 50 anos e dois filhos.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.