sicnot

Perfil

Desporto

Federer desmente que se vá retirar após Jogos Olímpicos de 2016

O tenista suíço Roger Federer desmentiu esta terça-feira que tenha intenção de se retirar após os Jogos Olímpicos Rio2016, no decurso dos quais festejará o seu 35º aniversário.

O recordista de títulos do Grand Slam (17) recordou que tem o hábito de planificar a época com mais de um ano de avanço e assumiu que 2017 já está programado.

O recordista de títulos do Grand Slam (17) recordou que tem o hábito de planificar a época com mais de um ano de avanço e assumiu que 2017 já está programado.

© Arnd Wiegmann / Reuters

"Nunca disse que depois do Rio poria um ponto final na minha carreira. Disse, simplesmente, que era o meu próximo objetivo a longo prazo", frisou o número dois mundial, em Paris, na véspera da sua entrada em competição do Masters 1000 de Bercy.

O recordista de títulos do Grand Slam (17) recordou que tem o hábito de planificar a época com mais de um ano de avanço e assumiu que 2017 já está programado.

"Como não sei quando será o final, é assim que planifico, até ao infinito, se quiserem", acrescentou.

Federer, que a 8 de agosto de 2016 cumpre 35 anos, mantém-se no topo do ténis mundial, sendo 'vice' de Novak Djokovic.

Apesar de não ter vencido qualquer 'Grand Slam', disputou as finais de Wimbledon e do Open dos Estados unidos, perdendo para o sérvio, e venceu seis torneios este ano, o último dos quais no domingo, em Basileia, diante do eterno rival Rafael Nadal.

A única lacuna no currículo de suíço é mesmo a medalha de ouro olímpica de singulares.

Lusa

  • Os momentos que marcaram o 7.º dia de Mundial
    1:08
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Os momentos descontraídos dos jogadores
    1:54
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49