sicnot

Perfil

Desporto

Federer desmente que se vá retirar após Jogos Olímpicos de 2016

O tenista suíço Roger Federer desmentiu esta terça-feira que tenha intenção de se retirar após os Jogos Olímpicos Rio2016, no decurso dos quais festejará o seu 35º aniversário.

O recordista de títulos do Grand Slam (17) recordou que tem o hábito de planificar a época com mais de um ano de avanço e assumiu que 2017 já está programado.

O recordista de títulos do Grand Slam (17) recordou que tem o hábito de planificar a época com mais de um ano de avanço e assumiu que 2017 já está programado.

© Arnd Wiegmann / Reuters

"Nunca disse que depois do Rio poria um ponto final na minha carreira. Disse, simplesmente, que era o meu próximo objetivo a longo prazo", frisou o número dois mundial, em Paris, na véspera da sua entrada em competição do Masters 1000 de Bercy.

O recordista de títulos do Grand Slam (17) recordou que tem o hábito de planificar a época com mais de um ano de avanço e assumiu que 2017 já está programado.

"Como não sei quando será o final, é assim que planifico, até ao infinito, se quiserem", acrescentou.

Federer, que a 8 de agosto de 2016 cumpre 35 anos, mantém-se no topo do ténis mundial, sendo 'vice' de Novak Djokovic.

Apesar de não ter vencido qualquer 'Grand Slam', disputou as finais de Wimbledon e do Open dos Estados unidos, perdendo para o sérvio, e venceu seis torneios este ano, o último dos quais no domingo, em Basileia, diante do eterno rival Rafael Nadal.

A única lacuna no currículo de suíço é mesmo a medalha de ouro olímpica de singulares.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.