sicnot

Perfil

Desporto

Investigadores apontam para crime no desaparecimento de velocista bielorrussa

A polícia bielorrussa anunciou esta quarta-feira ter aberto um processo de inquérito por morte após o desaparecimento da velocista olímpica Yulia Balykina, de 31 anos, de sua casa a 28 de outubro, e ter já detido um suspeito russo.

Várias vezes campeã da Bielorrússia nos 100 metros, Yulia Balykina participou nos Jogos Olímpicos Londres 2012, tanto na prova da sua especialidade como na estafeta dos 4x100 metros. (Arquivo)

Várias vezes campeã da Bielorrússia nos 100 metros, Yulia Balykina participou nos Jogos Olímpicos Londres 2012, tanto na prova da sua especialidade como na estafeta dos 4x100 metros. (Arquivo)

Anja Niedringhaus / AP

"Os investigadores dispõem de elementos que apontam que o desaparecimento teve natureza criminal", defendem os responsáveis pelo processo ao desaparecimento de Yulia Balykina, que acrescentam ter já detido um suspeito russo, de 28 anos.

Várias vezes campeã da Bielorrússia nos 100 metros, Yulia Balykina participou nos Jogos Olímpicos Londres 2012, tanto na prova da sua especialidade como na estafeta dos 4x100 metros.

Suspensa por dois anos em 2013, por doping, Yulia Balykina, que trabalhava nas escolas de atletismo do Dínamo de Minsk, desapareceu de sua casa a 28 de outubro e desde então nunca mais foi vista.

"Procurámos nas florestas, campos e pântanos da região de Minsk, mas sem ter sido obtido qualquer resultado", referem ainda os investigadores.

Lusa

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05