sicnot

Perfil

Desporto

Sneijder pede "mais respeito" por Mourinho e acredita em reviravolta do técnico

O futebolista holandês Wesley Sneijder pediu na terça-feira "mais respeito" pelo treinador José Mourinho, com quem trabalhou no Inter de Milão, e afirmou que o técnico português vai conseguir inverter o mau momento do Chelsea.

© Murad Sezer / Reuters

"Ele precisa de ser mais respeitado, especialmente no seu país. Parece que as pessoas gostam quando ele está em baixo, quando não ganha. Ele alcançou sempre muitas coisas nos clubes por onde passou", afirmou.

O médio, de 31 anos, atualmente ao serviço do Galatasaray, falava depois do encontro entre a formação turca e o Benfica, relativo à quarta jornada da Liga dos Campeões, que os 'encarnados' venceram por 2-1.

Apesar do momento menos positivo, o internacional holandês, que foi orientado por Mourinho no Inter de Milão, na época 2009/10, durante a qual os 'nerazzurri' conquistaram Serie A, Taça de Itália e Liga dos Campeões, mostrou-se confiante na recuperação do treinador.

"É difícil quando se perde jogos, quando os jogadores não dão 300 por cento. No entanto, do que conheço dele, acredito que vai recuperar e é por essa razão que o Chelsea ainda não o despediu", salientou.

O Chelsea ocupa o 15.º lugar da Liga inglesa, com 11 pontos, menos 14 que o líder Manchester City, tendo averbado seis derrotas nas 11 jornadas já disputadas.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.