sicnot

Perfil

Desporto

Gastão Elias eliminado no torneio de Buenos Aires

O tenista Gastão Elias foi esta quarta-feira eliminado na segunda ronda do torneio 'challenger' de Buenos Aires, ao perder com o chileno Hans Podlipnik-Castillo, que pôs fim a uma série de 11 triunfos seguidos do português.

O número dois luso, 135.º do mundo, perdeu por 6-2 e 6-3 após uma hora e 14 minutos de encontro com o 166.º da hierarquia mundial. (Arquivo)

O número dois luso, 135.º do mundo, perdeu por 6-2 e 6-3 após uma hora e 14 minutos de encontro com o 166.º da hierarquia mundial. (Arquivo)

© Vincent Kessler / Reuters

O número dois luso, 135.º do mundo, perdeu por 6-2 e 6-3 após uma hora e 14 minutos de encontro com o 166.º da hierarquia mundial.

Gastão Elias, que chegou a Buenos Aires depois de ter vencido os torneios de Lima, no Peru, e de Guaiaquil, no Equador, iniciou a sua participação com um triunfo sobre o argentino Federico Delbonis, por 3-6, 7-6 (6-4) e 6-3, mas não conseguiu dar seguimento à série vitoriosa.

Antes da derrota de hoje, o português, de 24 anos, encadeou três vitórias consecutivas sobre tenistas do 'top-100' mundial, depois de ter batido os também argentinos Guido Pella (75.º) e Diego Scwartzmann (77.º) nas duas últimas rondas em Guaiaquil.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.