sicnot

Perfil

Desporto

Martins Indi de volta e Brahimi ausente no regresso ao trabalho do FC Porto

O regresso do holandês Martins Indi e a ausência do argelino Brahimi marcaram esta segunda-feira o regresso ao trabalho do plantel de futebol do FC Porto, com vista ao confronto com o Angrense, sábado, para a Taça de Portugal.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Baz Ratner / Reuters

Após dois dias de folga do plantel, o defesa treinou com os restantes companheiros sem quaisquer limitações, depois de ter estado impedido por uma gastroenterite, que o limitou na semana anterior.

Por sua vez, o avançado africano, também ele em apuro condicionado nos dias anteriores, juntou-se à seleção da Argélia, que recebe terça-feira a Tanzânia, partida da segunda mão da segunda ronda de qualificação continental para o Mundial2018.

O técnico Julen Lopetegui orientou uma sessão matinal com 10 internacionais ausentes -- além do argelino, os mexicanos Herrera, Layún e Corona, o camaronês Aboubakar, o uruguaio Maxi, o espanhol Casillas e os portugueses Danilo, Ruben Neves e André André -- e do lesionado Maicon -, razão pela qual chamou oito jogadores da equipa B e um Sub-17.

João Costa, Vítor García, Omar Govea, Graça, Ismael, Chidozie, Ruben Macedo e Fede Varela treinaram com o plantel principal, assim como o júnior Diogo Dalot, foram os atletas chamados pelo treinador espanhol.

Os 'azuis e brancos' voltam a trabalhar terça-feira, às 10:30, novamente no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, no Olival, Vila Nova de Gaia, com vista à preparação para o jogo frente aos açorianos do Angrense, que decorrerá em Angra do Heroísmo, da quarta eliminatória da Taça de Portugal.

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.