sicnot

Perfil

Desporto

Nuno Espírito Santo diz que se tornou "polo de conflito" entre jogadores e adeptos do Valência

O ex-treinador de futebol do Valência, o português Nuno Espírito Santo, justificou a sua decisão de abandonar o cargo com a circunstância de se ter tornado um "polo de conflito" entre os jogadores e os adeptos.

"Os jogadores podem dar mais, mas necessitam de apoio, que os adeptos entendam a sua juventude e os acompanhem nos momentos menos bons. Não estava a ser assim. Houve momentos em que [os adeptos] não apoiavam a equipa e apenas criticavam o treinador", disse o técnico português. (Arquivo)

"Os jogadores podem dar mais, mas necessitam de apoio, que os adeptos entendam a sua juventude e os acompanhem nos momentos menos bons. Não estava a ser assim. Houve momentos em que [os adeptos] não apoiavam a equipa e apenas criticavam o treinador", disse o técnico português. (Arquivo)

© Yves Herman / Reuters

"Os jogadores podem dar mais, mas necessitam de apoio, que os adeptos entendam a sua juventude e os acompanhem nos momentos menos bons. Não estava a ser assim. Houve momentos em que [os adeptos] não apoiavam a equipa e apenas criticavam o treinador", disse, em conferência de imprensa.

Na ocasião, o técnico português assumiu integral responsabilidade pelos maus resultados da equipa, não descartando a existência de uma campanha para o apear do cargo.

"Não sei se existe ou se existiu. Mas quando, depois dos êxitos da última época, escutei apupos fiquei surpreendido", disse.

Nuno Espírito Santo defendeu ainda as transferências para o Valência intermediadas pelo seu agente, o português Jorge Mendes.

"Ainda há pouco tempo ouvi muitos dizerem que era um privilégio trabalhar com o melhor agente do mundo. Não sei o que mudou a esse respeito, porque ele continua a sê-lo. Ajudou muitíssimo o Valência", disse.

O português Nuno Espírito Santo anunciou no domingo que iria deixar o comando técnico do Valência, depois da derrota em Sevilha por 1-0, em encontro da 13.ª jornada da Liga espanhola de futebol.

"Estou muito orgulhoso. Foi uma honra treinar o Valência. Amanhã (segunda-feira), com o presidente e os donos do clube, vai haver uma reunião para clarificar o futuro", disse então o técnico luso, que orientou o conjunto 'ché' durante 17 meses.

O antigo treinador do Rio Ave tinha sido contratado por uma temporada no início 2014/15 e foi reconduzido até 2018 nas funções.

Na época passada, o técnico luso levou o clube ao quarto lugar, mas esta época saiu com oito derrotas, em 20 encontros, seguindo o Valência no nono posto da Liga espanhola.

Na segunda-feira, o Valência anunciou em comunicado ter chegado a um "acordo mútuo" para rescindir com o treinador português, nomeando Salvador González 'Voro' como treinador interino.

Lusa

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura ao Governo

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC

  • A cadela que desistiu da CIA para ir "perseguir esquilos e coelhos"

    Mundo

    Nem todos os cães têm aptidão para combater o crime. Este é o caso de Lulu, uma cadela que estava a treinar para ser agente da CIA, mas que acabou por entrar na reforma ainda durante os treinos. Através do Twitter, a agência norte-americana anunciou na semana passada que Lulu já não iria treinar mais e que tinha sido adotada pelo agente que a treinava.

    SIC

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC