sicnot

Perfil

Desporto

Nuno Espírito Santo diz que se tornou "polo de conflito" entre jogadores e adeptos do Valência

O ex-treinador de futebol do Valência, o português Nuno Espírito Santo, justificou a sua decisão de abandonar o cargo com a circunstância de se ter tornado um "polo de conflito" entre os jogadores e os adeptos.

"Os jogadores podem dar mais, mas necessitam de apoio, que os adeptos entendam a sua juventude e os acompanhem nos momentos menos bons. Não estava a ser assim. Houve momentos em que [os adeptos] não apoiavam a equipa e apenas criticavam o treinador", disse o técnico português. (Arquivo)

"Os jogadores podem dar mais, mas necessitam de apoio, que os adeptos entendam a sua juventude e os acompanhem nos momentos menos bons. Não estava a ser assim. Houve momentos em que [os adeptos] não apoiavam a equipa e apenas criticavam o treinador", disse o técnico português. (Arquivo)

© Yves Herman / Reuters

"Os jogadores podem dar mais, mas necessitam de apoio, que os adeptos entendam a sua juventude e os acompanhem nos momentos menos bons. Não estava a ser assim. Houve momentos em que [os adeptos] não apoiavam a equipa e apenas criticavam o treinador", disse, em conferência de imprensa.

Na ocasião, o técnico português assumiu integral responsabilidade pelos maus resultados da equipa, não descartando a existência de uma campanha para o apear do cargo.

"Não sei se existe ou se existiu. Mas quando, depois dos êxitos da última época, escutei apupos fiquei surpreendido", disse.

Nuno Espírito Santo defendeu ainda as transferências para o Valência intermediadas pelo seu agente, o português Jorge Mendes.

"Ainda há pouco tempo ouvi muitos dizerem que era um privilégio trabalhar com o melhor agente do mundo. Não sei o que mudou a esse respeito, porque ele continua a sê-lo. Ajudou muitíssimo o Valência", disse.

O português Nuno Espírito Santo anunciou no domingo que iria deixar o comando técnico do Valência, depois da derrota em Sevilha por 1-0, em encontro da 13.ª jornada da Liga espanhola de futebol.

"Estou muito orgulhoso. Foi uma honra treinar o Valência. Amanhã (segunda-feira), com o presidente e os donos do clube, vai haver uma reunião para clarificar o futuro", disse então o técnico luso, que orientou o conjunto 'ché' durante 17 meses.

O antigo treinador do Rio Ave tinha sido contratado por uma temporada no início 2014/15 e foi reconduzido até 2018 nas funções.

Na época passada, o técnico luso levou o clube ao quarto lugar, mas esta época saiu com oito derrotas, em 20 encontros, seguindo o Valência no nono posto da Liga espanhola.

Na segunda-feira, o Valência anunciou em comunicado ter chegado a um "acordo mútuo" para rescindir com o treinador português, nomeando Salvador González 'Voro' como treinador interino.

Lusa

  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01
  • Depois do Fogo
    23:30
  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11
  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.

  • Trump quebra tradição da Casa Branca com 20 anos

    Mundo

    Donald Trump decidiu não fazer um jantar de celebração pelo fim do Ramadão, o mês em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol. O Presidente dos Estados Unidos quebrou a tradição da Casa Branca, pela primeira vez em 20 anos.