sicnot

Perfil

Desporto

FC Porto prepara receção ao Rio Ave com três ausências

O FC Porto prosseguiu esta segunda-feira a preparação da receção de quarta-feira ao Rio Ave, para a 16ª jornada da Liga portuguesa de futebol, sem o mexicano Raúl Gudiño, o espanhol Alberto Bueno e o argentino Dani Osvaldo.

O FC Porto volta a treinar pelas 10:30 de terça-feira, numa sessão para decorrer à porta fechada. (Arquivo)

O FC Porto volta a treinar pelas 10:30 de terça-feira, numa sessão para decorrer à porta fechada. (Arquivo)

© Baz Ratner / Reuters

De acordo com a nota publicada no sítio dos 'dragões', tal como na véspera, Alberto Bueno esteve fisicamente condicionado e realizou apenas tratamento e trabalho de ginásio, enquanto Dani Osvaldo não esteve presente, devidamente autorizado.

O guarda-redes mexicano Raúl Gudiño, titular no triunfo do FC Porto B sobre o Vitória de Guimarães B (5-2), no domingo, para a 23.ª jornada da II Liga, cumpriu hoje um dia de folga.

O FC Porto, que com a derrota no sábado em Alvalade, por 2-0, devolveu a liderança da I Liga ao Sporting, volta a treinar pelas 10:30 de terça-feira, numa sessão para decorrer à porta fechada.

Pelas 13:00, o treinador Julen Lopetegui fará, em conferência de imprensa, a antevisão da receção do FC Porto ao Rio Ave, que decorrerá pelas 20:15 de quarta-feira, no Estádio do Dragão.

Nos 15 minutos abertos à comunicação social do treino desta manhã, no Olival, que decorreu sob chuva intensa, esteve uma vez mais presente o presidente do clube, Pinto da Costa, tal como no domingo, na primeira sessão após a derrota em Alvalade.

Lusa

  • Incêndio destrói igreja em Ponte da Barca
    1:49

    País

    Um incêndio destruiu na última madrugada a Igreja de Lavradas, em Ponte da Barca. A Polícia Judiciária de Braga está a investigar as causas do fogo, mas tudo aponta para um curto-circuito.

  • Bairro em Loures não tem luz há mais de um ano
    2:30

    País

    O bairro da Torre, junto ao aeroporto de Lisboa mas ainda no concelho de Loures, não tem eletricidade nem nos postes, nem nas casas. A EDP e os moradores nunca chegaram a acordo para uma solução de pagamento coletivo e a empresa, para acabar com as puxadas eléctricas ilegais, decidiu cortar de vez o abastecimento há mais de um ano.