sicnot

Perfil

Desporto

FC Porto prepara receção ao Rio Ave com três ausências

O FC Porto prosseguiu esta segunda-feira a preparação da receção de quarta-feira ao Rio Ave, para a 16ª jornada da Liga portuguesa de futebol, sem o mexicano Raúl Gudiño, o espanhol Alberto Bueno e o argentino Dani Osvaldo.

O FC Porto volta a treinar pelas 10:30 de terça-feira, numa sessão para decorrer à porta fechada. (Arquivo)

O FC Porto volta a treinar pelas 10:30 de terça-feira, numa sessão para decorrer à porta fechada. (Arquivo)

© Baz Ratner / Reuters

De acordo com a nota publicada no sítio dos 'dragões', tal como na véspera, Alberto Bueno esteve fisicamente condicionado e realizou apenas tratamento e trabalho de ginásio, enquanto Dani Osvaldo não esteve presente, devidamente autorizado.

O guarda-redes mexicano Raúl Gudiño, titular no triunfo do FC Porto B sobre o Vitória de Guimarães B (5-2), no domingo, para a 23.ª jornada da II Liga, cumpriu hoje um dia de folga.

O FC Porto, que com a derrota no sábado em Alvalade, por 2-0, devolveu a liderança da I Liga ao Sporting, volta a treinar pelas 10:30 de terça-feira, numa sessão para decorrer à porta fechada.

Pelas 13:00, o treinador Julen Lopetegui fará, em conferência de imprensa, a antevisão da receção do FC Porto ao Rio Ave, que decorrerá pelas 20:15 de quarta-feira, no Estádio do Dragão.

Nos 15 minutos abertos à comunicação social do treino desta manhã, no Olival, que decorreu sob chuva intensa, esteve uma vez mais presente o presidente do clube, Pinto da Costa, tal como no domingo, na primeira sessão após a derrota em Alvalade.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.