sicnot

Perfil

Desporto

Pistorius quer contestar condenação por homício no Tribunal Constitucional

O campeão paralímpico sul-africano Oscar Pistorius, que matou a sua namorada a tiro em 2013, apresentou hoje um pedido para poder contestar no Tribunal Constitucional a sua condenação por homicídio, indicou um seu advogado.

© Siphiwe Sibeko / Reuters

"Apresentámos um pedido de autorização para interpor recurso para o Tribunal Constitucional", a mais alta jurisdição do país, declarou à agência France Presse Andrew Fawcett, um dos advogados do atleta.

Pistorius foi considerado culpado de "homicídio involuntário" em primeira instância e condenado a cinco anos de prisão em 2014. Mas um tribunal de recurso requalificou em dezembro de 2015 o crime do atleta para "homicídio".

Desde essa altura e sob fiança, Pistorius aguarda uma nova sentença. Pelo homicídio da modelo Reeva Steenkamp, arrisca uma pena de pelo menos 15 anos de prisão.

Fawcett explicou que a procuradoria deve indicar agora se se opõe ou não ao recurso, sendo depois preciso saber se o Tribunal Constitucional o considera admissível.

Pistorius, 29 anos, sempre manteve que quando matou a namorada na noite de 13 para 14 de fevereiro de 2013 na sua casa, com tiros disparados através da porta da casa de banho, pensava estar a enfrentar um ladrão.

O antigo atleta está sob prisão domiciliária em casa do seu tio Arnold Pistorius e tem uma pulseira eletrónica.

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32