sicnot

Perfil

Desporto

Pistorius quer contestar condenação por homício no Tribunal Constitucional

O campeão paralímpico sul-africano Oscar Pistorius, que matou a sua namorada a tiro em 2013, apresentou hoje um pedido para poder contestar no Tribunal Constitucional a sua condenação por homicídio, indicou um seu advogado.

© Siphiwe Sibeko / Reuters

"Apresentámos um pedido de autorização para interpor recurso para o Tribunal Constitucional", a mais alta jurisdição do país, declarou à agência France Presse Andrew Fawcett, um dos advogados do atleta.

Pistorius foi considerado culpado de "homicídio involuntário" em primeira instância e condenado a cinco anos de prisão em 2014. Mas um tribunal de recurso requalificou em dezembro de 2015 o crime do atleta para "homicídio".

Desde essa altura e sob fiança, Pistorius aguarda uma nova sentença. Pelo homicídio da modelo Reeva Steenkamp, arrisca uma pena de pelo menos 15 anos de prisão.

Fawcett explicou que a procuradoria deve indicar agora se se opõe ou não ao recurso, sendo depois preciso saber se o Tribunal Constitucional o considera admissível.

Pistorius, 29 anos, sempre manteve que quando matou a namorada na noite de 13 para 14 de fevereiro de 2013 na sua casa, com tiros disparados através da porta da casa de banho, pensava estar a enfrentar um ladrão.

O antigo atleta está sob prisão domiciliária em casa do seu tio Arnold Pistorius e tem uma pulseira eletrónica.

Lusa

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.