sicnot

Perfil

Desporto

Pistorius quer contestar condenação por homício no Tribunal Constitucional

O campeão paralímpico sul-africano Oscar Pistorius, que matou a sua namorada a tiro em 2013, apresentou hoje um pedido para poder contestar no Tribunal Constitucional a sua condenação por homicídio, indicou um seu advogado.

© Siphiwe Sibeko / Reuters

"Apresentámos um pedido de autorização para interpor recurso para o Tribunal Constitucional", a mais alta jurisdição do país, declarou à agência France Presse Andrew Fawcett, um dos advogados do atleta.

Pistorius foi considerado culpado de "homicídio involuntário" em primeira instância e condenado a cinco anos de prisão em 2014. Mas um tribunal de recurso requalificou em dezembro de 2015 o crime do atleta para "homicídio".

Desde essa altura e sob fiança, Pistorius aguarda uma nova sentença. Pelo homicídio da modelo Reeva Steenkamp, arrisca uma pena de pelo menos 15 anos de prisão.

Fawcett explicou que a procuradoria deve indicar agora se se opõe ou não ao recurso, sendo depois preciso saber se o Tribunal Constitucional o considera admissível.

Pistorius, 29 anos, sempre manteve que quando matou a namorada na noite de 13 para 14 de fevereiro de 2013 na sua casa, com tiros disparados através da porta da casa de banho, pensava estar a enfrentar um ladrão.

O antigo atleta está sob prisão domiciliária em casa do seu tio Arnold Pistorius e tem uma pulseira eletrónica.

Lusa

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Abate de animais nos canis proibido a partir de setembro
    1:35

    País

    O abate de animais nos canis passa a ser proibido a partir de setembro. Só em 2017, foram mortos cerca de 12 mil cães e gatos, uma média de um abate por hora. O Governo lançou um programa de incentivos financeiros de um milhão de euros, que ainda está a decorrer.

  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • Colheita da cereja já arrancou no Fundão
    1:54

    País

    A colheita das primeiras cerejas da época já começou no Fundão. A campanha atrasou um mês em relação a anos anteriores, por causa do inverno que se prolongou, mas os produtores garantem que o fruto é de qualidade.