sicnot

Perfil

Desporto

Carlos Sainz sobe à liderança dos automóveis do rali Dakar

O espanhol Carlos Sainz (Peugeot) subiu hoje à liderança dos automóveis do rali todo-o-terreno Dakar, numa encurtada nona etapa que marcou o adeus de Paulo Gonçalves à luta pela vitória nas motos.

© Marcos Brindicci / Reuters

O português, que era segundo à entrada para a tirada, partiu o motor e chegou a ser anunciada a sua desistência, mas o facto de a organização ter parado a etapa após o segundo posto de controlo (CP2), devido ao calor, permitiu-lhe reentrar na prova.

Com ajuda do companheiro de equipa Paolo Ceci, o piloto de Esposende conseguiu chegar ao CP2 e vai trocar o motor da sua Honda, podendo continuar em prova, mas já afastado da luta pelo triunfo.

O australiano Toby Price (KTM), que na segunda-feira tinha roubado a liderança a Gonçalves, foi o mais rápido a chegar ao CP2, instalado aos 179 quilómetros, em 02:24.19 horas, batendo o argentino Kevin Benavides (Honda) por 7.10 minutos e o eslovaco Stefan Sivtko (KTM) por 10.33.

O melhor português foi Hélder Rodrigues (Yamaha), na nona posição, a 16 minutos, com Mário Patrão (KTM) a ser 16.º, a 30.22, e Pedro Bianchi Prata 35.º, a 54.47.

Na geral, Price tem agora 24.47 minutos de vantagem sobre Svitko e 32.14 sobre o chileno Pablo Quintanilla (Husqvarna), com Hélder Rodrigues a ser sexto, a 46.51, Patrão a ocupar o 20.º lugar, a 2:11.57 horas, e Bianchi Prata o 56.º, a 8:11.51.

Nos carros, Carlos Sainz roubou a liderança ao francês Stephane Peterhansel, ao ser o mais rápido no quarto ponto de controlo, no qual foi neutralizada a etapa.

Carlos Sainz gastou 2:35.31 horas para fazer os 179 quilómetros, menos 10 segundos do que o holandês Erik van Loone 17 sobre o finlandês Mikko Hirvonen, ambos em Mini.

Com três furos e depois de ter ficado preso na areia durante alguns minutos, Peterhansel foi apenas sétimo na etapa, a 9.12 minutos do companheiro de equipa, caindo para o segundo posto da geral, a 7.03 de Sainz.

Na terceira posição da geral surge o catari Nasser Al Attiyah (Mini), vencedor em 2015, a 14.38 minutos do espanhol.

Na quarta-feira corre-se a 10.ª etapa, a segunda parte da tirada maratona que se iniciou hoje, entre Belén e La Rioja, na Argentina, com 278 quilómetros cronometrados.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.