sicnot

Perfil

Desporto

Pedro Proença elogia primeira volta e pede "bom senso" para êxito da segunda

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, congratulou-se hoje com os números e competitividade da primeira volta do campeonato, apelando ao "bom senso" para que o rumo persista.

"Será fundamental que, na hora das decisões, todos os intervenientes mantenham o bom senso. A dignificação das nossas competições é uma responsabilidade de todos", advertiu, no balanço feito em jeito de comunicado.

Pedro Proença entende que a atual edição "prova" que Portugal "tem das melhores ligas do mundo", considerando que o público tem "visto grandes jogos, excelentes espetáculos e muitos golos".

O dirigente lembrou os 405 golos marcados na primeira volta (média de 2,64 por jogo), um "extraordinário sinal de emoção e garantia de competitividade", reforçada pelo facto dos três primeiros estarem separados por apenas quatro pontos, "prevendo-se, assim, uma luta pelo título muito acesa e emocionante".

O Sporting, que hoje recebe o Tondela, no arranque da 18.ª jornada, lidera com 44 pontos, mais quatro do que Benfica e FC Porto, num campeonato que na primeira volta levou mais de 1,6 milhões de adeptos aos estádios, uma "marca positiva", que Pedro Proença pretende melhorar ainda mais.

"Como presidente da Liga vou acompanhar com entusiasmo a segunda metade do campeonato e estou certo de que assistiremos a uma segunda volta cheia de futebol com talento. Que todos continuem a dar-nos motivos de orgulho, valorizando uma das melhores ligas do mundo", conclui.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão