sicnot

Perfil

Desporto

Uli Hoeness sairá em liberdade condicional no final de fevereiro

O ex-presidente do Bayern de Munique, Uli Hoeness, sairá a 29 de fevereiro da cadeia, onde cumpre pena por fuga aos impostos, informaram autoridades judicias de Augsburgo, na Alemanha.

© Michaela Rehle / Reuters

Hoeness está preso desde 02 de junho de 2015, depois de ter sido condenado a três anos e meio de cadeia, mas a redução de pena é habitual nos casos em que os reclusos revelam bom comportamento e são alvo de prognóstico de reinserção, segundo informação do tribunal que decidiu a libertade condicional.

O antigo dirigente já só passava as noites na cadeia, pois encontra-se a trabalhar com os escalões de formação do Bayern de Munique, uma das justificações para que o tribunal aceitasse a petição, condicionando-o, no entanto, nos próximos três anos.

Uli Hoeness foi considerado culpado de evasão fiscal no valor de 28,5 milhões de euros, nomeadamente em negócios privados, mas relacionados com a sua função no clube da liga germânica.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.