sicnot

Perfil

Desporto

Jorge Sampaoli chega a acordo para deixar seleção chilena

O treinador argentino Jorge Sampaoli deixou esta quarta-feira o cargo de selecionador do Chile de futebol, seis meses depois de ter conduzido o país à conquista da Taça América, anunciou a federação chilena.

A confirmação da saída de Sampaoli surge cinco dias depois de a federação chilena ter revelado que as negociações para a renovação de contrato tinham terminado sem qualquer acordo.

A confirmação da saída de Sampaoli surge cinco dias depois de a federação chilena ter revelado que as negociações para a renovação de contrato tinham terminado sem qualquer acordo.

© Reuters Photographer / Reuter

A confirmação da saída de Sampaoli surge cinco dias depois de a federação chilena ter revelado que as negociações para a renovação de contrato tinham terminado sem qualquer acordo.

"A federação e Jorge Sampaoli chegaram a acordo e dão por terminado o seu relacionamento contratural", pode ler-se no comunicado divulgado pela federação chilena.

Entre os nomes de eventuais sucessores está o do também argentino Marcelo Bielsa, que se encontra sem treinar desde que deixou os franceses do Marselha no princípio da época, e que já esteve à frente da seleção chilena entre 2007/2010.

Outro nome apontado é o de Eduardo Berizzo, igualmente argentino e atual técnico dos espanhóis do Celta de Vigo.

Lusa

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.