sicnot

Perfil

Desporto

Bruno de Carvalho acha suspensão "normal", mas nega ter chamado corrupto ao árbitro

O presidente do Sporting afirmou hoje que a suspensão imposta pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) é "normal", mas negou que tenha chamado "corrupto" ao árbitro durante o encontro com o Tondela.

O presidente do Sporting incorre agora num processo disciplinar ao abrigo do artigo do regulamento disciplinar que diz respeito à Lesão da Honra e reputação dos agentes desportivos. (Arquivo)

O presidente do Sporting incorre agora num processo disciplinar ao abrigo do artigo do regulamento disciplinar que diz respeito à Lesão da Honra e reputação dos agentes desportivos. (Arquivo)

Lusa

Em entrevista à RTP3, Bruno de Carvalho admitiu que, no jogo da 18.ª jornada da I Liga, foi bem expulso pelo árbitro Luís Ferreira, mas negou que tenha utilizado a palavra "corrupto' quando se dirigiu ao juiz da Associação de Futebol de Braga.

"É falso, não disse isso. Não chamei corrupto a ninguém, não usei essa expressão. É uma palavra que nem gosto por causa da fonética", afirmou o dirigente 'leonino'.

Na terça-feira, o CD da FPF abriu um processo disciplinar a Bruno de Carvalho, que ficou suspenso preventivamente por 20 dias, devido aos incidentes ocorridos na partida que decorreu no Estádio José Alvalade.

"É uma decisão normal. São decisões que não são muito do meu agrado, acho que o futebol poderia ser bem mais célere, mas o futebol é assim. A partir do momento que fui expulso, o procedimento habitual é este e não estava a espera de mais nada", referiu o presidente do Sporting.

Apesar de ainda estar à espera do relatório do encontro Sporting-Tondela, Bruno de Carvalho assumiu que a sua exclusão do encontro foi "justa".

"Não estou indignado. Percebo ter sido expulso. A minha questão é com o que está escrito no relatório e, se aquilo que tem saído na comunicação social, é verdadeiro, então é completamente falso", frisou.

O presidente do Sporting abordou também a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), que no final de dezembro de 2015 condenou o clube a pagar 12 milhões de euros à empresa Doyen.

"Há um erro que saiu na comunicação social. O Sporting tem três dias para pagar à Doyen se o jogador for vendido pelo Manchester United e não depois da decisão do TAS. O recurso que apresentámos não suspende o pagamento, mas há outros mecanismos que podem suspender", explicou.

Bruno de Carvalho assumiu que está à procura de contratar um defesa-central durante a reabertura do mercado de transferências, sobretudo devido à lesão de Tobias Figueiredo.

"Estamos a ver. Estamos a estudar com alguma calma. Temos centrais que asseguram ao Sporting um excelente futuro, procuramos talvez um jogador com maturidade", concluiu.

Lusa

  • Detido dono do cão que feriu criança com gravidade

    País

    O dono do cão de raça Rottweiler que esta terça-feira feriu com gravidade uma criança de 4 anos em Matosinhos foi detido pela PSP e o animal já foi recolhido no canil municipal, informou fonte oficial da autarquia.

    Em atualização

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.