sicnot

Perfil

Desporto

FC Porto oficializa Marega e José Sá por quatro épocas e meia

O FC Porto oficializou esta segunda-feira a contração do ponta de lança Marega e do guarda-redes José Sá, ambos provenientes do Marítimo e os dois por quatro anos e meio, anunciou o terceiro classificado da I Liga de futebol.

José Sá foi formado no Benfica e chegou ao Marítimo em 2011. É também internacional sub-21 por Portugal.

José Sá foi formado no Benfica e chegou ao Marítimo em 2011. É também internacional sub-21 por Portugal.

© Reuters Staff / Reuters

"Moussa Marega, avançado franco-maliano de 24 anos, e José Sá, guarda-redes português de 23 anos, são reforços do FC Porto. Ambos os jogadores são provenientes do Marítimo e assinaram contrato por quatro anos e meio, ou seja, até Junho de 2020. As cláusulas de rescisão são de 40 e 30 milhões de euros, respetivamente", revelaram os portistas.

O Marítimo tinha anunciado hoje de manhã a transferência, mas referindo cinco épocas e meia, uma a mais do que ficou efetivamente contratualizado.

O FC Porto refere que o internacional maliano Marega "chegou ao futebol português pela porta do Marítimo, em janeiro de 2015, e desde então fez 34 jogos e apontou 15 golos pelos insulares", sete dos quais esta época, cinco no campeonato.

Quanto a José Sá, que foi formado no Benfica e chegou ao Marítimo em 2011, onde estava 'tapado' na baliza por Salin, destaca que "foi vice-campeão europeu de Sub-21 em junho, está na Madeira desde a época 2011/12, tendo já disputado 24 encontros oficiais pela equipa principal do Marítimo".

Ambos os atletas vinham a ser apontados na comunicação social como alvos do Sporting.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31