sicnot

Perfil

Desporto

Neymar declara-se inocente e pede que provem fuga ao fisco

O futebolista Neymar voltou no domingo a declarar-se inocente no caso de fuga ao fisco que levou a justiça brasileira a condená-lo, juntamente com o pai, ao pagamento de uma multa de 459.671 reais (cerca de 102 mil euros).

2º - Neymar (Brasil), do Barcelona (Espanha)

2º - Neymar (Brasil), do Barcelona (Espanha)

© Andrea Comas / Reuters

"Antes de dizerem coisas sem sentido -- que escondemos isto e mais aquilo -- devem prová-lo", afirmou o jogador brasileiro numa entrevista televisiva à estação Globo.

Na quinta-feira, o Tribunal Federal de São Paulo rejeitou um recurso apresentado por Neymar para anular a multa de 102 mil euros ao fisco brasileiro por evasão fiscal, levada a cabo nos anos de 2007 e 2008.

O fisco multou Neymar por ter declarado vários pagamentos efetuados pelo Santos, o seu clube na época, como direitos de imagem e não como salário, a categoria a que as autoridades creem que correspondem, na realidade, esses depósitos.

"O meu pai ajuda-me em tudo para que eu me foque apenas em jogar, ele trata de tudo", disse o jogador na entrevista á Globo, acrescentando: "No momento em que começamos a ver sofrer as pessoas de que gostamos dói muito".

O brasileiro, terceiro melhor jogador de 2015 para a FIFA, também tem processos a decorrer na justiça espanhola e brasileira pela sua transferência para o FC Barcelona, em 2013.

O fisco brasileiro pede que Neymar pague cerca de 63,6 milhões de reais (cerca de 14,2 milhões de euros) de impostos não declarados entre os exercícios fiscais de 2011 e 2013.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.