sicnot

Perfil

Desporto

Renault confirma Kevin Magnussen no regresso da escuderia à Formula 1

O piloto dinamarquês Kevin Magnussen foi esta quarta-feira confirmado como piloto da Renault, durante a apresentação do monolugar da escuderia francesa, que este ano regressa à Formula 1, juntando-se ao inglês Jolyon Palmer.

O piloto dinamarquês Kevin Magnussen. (Arquivo)

O piloto dinamarquês Kevin Magnussen. (Arquivo)

© Mark Dadswell / Reuters

Kevin Magnussen, de 23 anos, que terminou em segundo na sua estreia na Formula 1 no Grande Prémio da Austrália, em 2014, integra a equipa após ter sido dispensado pela equipa McLaren em outubro de 2015.

Com Kevin Magnussen e Jolyon Palmer, a Renault pretende reeditar os anos dourados do início do século na Formula 1, em que com o piloto espanhol Fernando Alonso conquistou dois títulos mundiais e um total de 32 triunfos em grandes prémios.

A Renault, que se estreou na Fórmula 1 em 1977 e soma um total de 12 títulos mundiais (pilotos e construtores), regressa ao 'circo' precisamente 10 anos após o segundo triunfo de Fernando Alonso.

O monolugar revelado hoje em Guyancourt, nos arredores de Paris, denominado por RS16, apresenta o preto como a cor predominante, com pinceladas de amarelo, numa alusão à imagem da marca.

Lusa

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.