sicnot

Perfil

Desporto

Treinador português José Morais internado por mais 10 dias

O treinador português de futebol José Morais, que orienta o Antalyaspor, vai estar internado em observação nos próximos 10 dias, na sequência de uma hemorragia cerebral, informou hoje o clube turco.

José Morais foi adjunto de Mourinho no Chelsea.

José Morais foi adjunto de Mourinho no Chelsea.

De acordo com a informação divulgada na página do clube, José Morais "realizou uma angiografia, não tendo sido detetada qualquer patologia vascular".

O clube garante que o estado de saúde do técnico "é bom", acrescentando que José Morais vai ficar internado em observação nos próximos 10 dias.

Na quarta-feira, o clube confirmou oficialmente que José Morais "sofreu uma hemorragia cerebral" e estava "sob observação" numa unidade hospitalar.

"O treinador José Morais foi internado em consequência de tonturas e pressão arterial elevada. Os exames efetuados diagnosticaram uma hemorragia cerebral (...), estando agora sob observação", lia-se numa mensagem publicada quarta-feira na página internet do clube.

Após 19 jornadas, o Antalyaspor ocupa o 14.º lugar da Liga turca, com 21 pontos, sete acima da zona de despromoção.

O antigo adjunto de José Mourinho, que já comandou clubes como Santa Clara, Espérance Tunis e Al-Shabab, entre outros, chegou ao clube turco no início de 2016, assinando um contrato válido até junho de 2017 para suceder a Samuel Eto'o, que comandou interinamente a equipa após a saída de Yusuf Simsek.

Lusa

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.