sicnot

Perfil

Desporto

Manny Pacquiao diz que se baseou na bíblia para falar dos homossexuais

O pugilista filipino Manny Pacquiao, que recentemente classificou os homossexuais de serem "pior do que os animais", declarações que geraram uma onda de indignação nas redes sociais, afirmou hoje que baseou as suas palavras na bíblia.

"Lutarei com alguém em algum lugar. O combate ocorrerá, provavelmente, antes das eleições. Penso que o acordo está concluído em novembro ou dezembro", disse Pacquiao. (Arquivo)

"Lutarei com alguém em algum lugar. O combate ocorrerá, provavelmente, antes das eleições. Penso que o acordo está concluído em novembro ou dezembro", disse Pacquiao. (Arquivo)

© Steve Marcus / Reuters

"O que eu digo é verdade. Estou apenas a dizer a verdade. É o que a bíblia diz", disse Pacquiao aos jornalistas locais, em General Santos, a cidade natal do pugilista.

O atleta de 37 anos aderiu ao evangelismo em 2010 e garantiu ter sido escolhido por Deus para espalhar a mensagem de Cristo.

No início da semana, Pacquiao pronunciou-se contra os homossexuais numa entrevista concedida a um órgão de comunicação local, em que afirmou que os gays são "pior do que os animais".

"Veem animais a ter relações homossexuais? Os animais são melhores, sabem distinguir o masculino do feminino", disse, quando questionado sobre o que pensava do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

"Se aprovamos [o sexo de] homens com homens e mulheres com mulheres, isso significa que o homem é pior do que um animal", afirmou.

As declarações desencadearam uma onda de indignação nas redes sociais, com inúmeras personalidades a criticarem a postura do pugilista, e levou mesmo a marca desportiva norte-americana Nike a por fim ao contrato promocional que tinha com o pugilista.

Pacquiao é candidato ao senado das Filipinas nas eleições previstas para maio, devendo 'pendurar as luvas' antes dessa data.

O filipino foi campeão mundial em oito categorias de peso diferentes e tem uma marca de 57 vitórias (38 por KO), seis derrotas e dois empates.

Lusa

  • Atropelamento em Copacabana fere 15 e mata bebé de 18 meses
    1:13

    Mundo

    Pelo menos uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas num atropelamento na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, no Brasil. O condutor, um homem de 41 anos, diz ter perdido o controlo do carro, invadiu a calçada, percorreu 15 metros e só parou no areal de uma das zonas mais turísticas do Brasil. A polícia militar confirmou, entretanto, em comunicado que não há qualquer indício de que se tenha tratado de um ataque terrorista e avançou que o condutor sofreu um ataque de epilepsia.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38