sicnot

Perfil

Desporto

Pugilistas não vão usar proteção de cabeça nos Jogos Olímpicos

A Associação Internacional de Boxe (AIBA) anunciou hoje que, pela primeira vez em 32 anos, os pugilistas masculinos não usarão os habituais protetores de cabeça nos combates dos Jogos Olímpicos do Rio2016.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© USA Today Sports / Reuters

A decisão da AIBA foi aceite pelo Comité Olímpico Internacional (COI), que informou já os subcomités que, pela primeira vez desde os Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, os pugilistas masculinos no Rio2016 não usarão resguardo na cabeça.

"É, sem dúvida, uma grande conquista para a AIBA poder apresentar os pugilistas sem protetores de cabeça nos próximos Jogos Olímpicos, o mais importante evento desportivo mundial", acrescentou o presidente do organismo, Ching-Kuo Wu.

De acordo com o dirigente, a remoção do 'capacete almofadado', em prol do espetáculo, encontrava-se já em estudo, depois de consultados atletas, treinadores, equipas médicas e realizados trabalhos de investigação sobre o assunto.

"Esta é uma grande conquista para a modalidade", referiu Ching-Kuo Wu, num comunicado difundido pela AIBA e que refere que apenas os combates masculinos serão realizados sem os resguardos de cabeça.

Esta medida surge após no Mundial de 2013, em Almaty, os pugilistas terem combatido sem os resguardos, ainda em fase experimental, e, desde então, os números documentados não apresentaram um agravamento da relação das lesões com a ausência de "capacetes".

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.