sicnot

Perfil

Desporto

Pugilistas não vão usar proteção de cabeça nos Jogos Olímpicos

A Associação Internacional de Boxe (AIBA) anunciou hoje que, pela primeira vez em 32 anos, os pugilistas masculinos não usarão os habituais protetores de cabeça nos combates dos Jogos Olímpicos do Rio2016.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© USA Today Sports / Reuters

A decisão da AIBA foi aceite pelo Comité Olímpico Internacional (COI), que informou já os subcomités que, pela primeira vez desde os Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, os pugilistas masculinos no Rio2016 não usarão resguardo na cabeça.

"É, sem dúvida, uma grande conquista para a AIBA poder apresentar os pugilistas sem protetores de cabeça nos próximos Jogos Olímpicos, o mais importante evento desportivo mundial", acrescentou o presidente do organismo, Ching-Kuo Wu.

De acordo com o dirigente, a remoção do 'capacete almofadado', em prol do espetáculo, encontrava-se já em estudo, depois de consultados atletas, treinadores, equipas médicas e realizados trabalhos de investigação sobre o assunto.

"Esta é uma grande conquista para a modalidade", referiu Ching-Kuo Wu, num comunicado difundido pela AIBA e que refere que apenas os combates masculinos serão realizados sem os resguardos de cabeça.

Esta medida surge após no Mundial de 2013, em Almaty, os pugilistas terem combatido sem os resguardos, ainda em fase experimental, e, desde então, os números documentados não apresentaram um agravamento da relação das lesões com a ausência de "capacetes".

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.