sicnot

Perfil

Desporto

Bruno de Carvalho diz que Benfica não queria que Slimani jogasse o dérbi

O presidente do Sporting disse hoje que o Benfica fez uma "campanha tremenda" para que Slimani não jogasse o dérbi de sábado e salientou que a pacificação no futebol não se faz com "hipocrisia nem com falsas filosofias".

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

"Se tentaram durante meses que o Slimani não jogasse, ao menos que se remetessem ao silêncio porque este tipo de hipocrisia roça ao ridículo. Uma coisa são rivalidades e outra é tocarmos o ridículo. E não vale a pena. O Benfica não queria que o Slimani jogasse", afirmou Bruno de Carvalho.

O presidente do Sporting falava aos jornalistas na cidade da Praia, no quadro de uma visita a Cabo Verde, alguns dias depois de o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, ter pedido que nenhum jogador dos 'leões' fosse castigado em vésperas do dérbi da 25.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, no sábado.

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol tem em mãos um processo disciplinar no qual o avançado argelino é visado por uma alegada agressão ao grego Samaris, do Benfica, num encontro da Taça de Portugal, disputado a 21 de novembro de 2015.

Bruno de Carvalho disse que tudo o que for para pacificar o futebol é "sempre perfeito", mas salientou que a pacificação "não se faz com hipocrisia nem com falsas filosofias", mas sim encarando o futebol como ele é, com rivalidades, emoções e um espetáculo que gera polémicas.

"O Benfica, se o Sporting pudesse jogar só com um jogador, ficava feliz. Felizmente, vamos jogar com os nossos jogadores e vamos ficar à espera, porque continuo a dizer que todo este assunto Slimani e o seu desfecho vão demonstrar se o futebol português está a querer evoluir ou se está a querer regredir porque é uma situação absolutamente ridícula, que já deveria estar resolvida e sem castigo", continuou.

Bruno de Carvalho fez um apelo para que as atenções sejam concentradas no jogo dentro das quatro linhas, mas afirmou que não é politicamente correto nem hipócrita. "E não gosto que os outros sejam", sublinhou.

"Não vale a pena, a partir do momento em que foi feita uma campanha tremenda, a todos os níveis avassaladora para que o Slimani fosse castigado", reforçou Bruno de Carvalho, lembrando que a nível regulamentar isso já não era possível porque mesmo que fosse aplicado um castigo ao Slimani, o Sporting iria meter um recurso que teria efeito suspensivo.

"Não podemos querer ser os arautos do moralismo quando somos os primeiros a utilizar os jogos de bastidores para tudo", concluiu o presidente leonino, esperando, porém, que o jogo de sábado com o Benfica seja "um bom espetáculo e que corra tudo bem".

Lusa

  • "Deixem-se de fitas", pede Bruno de Carvalho
    1:15

    Desporto

    A pouco mais de 60 horas do dérbi de sábado, Bruno de Carvalho faz um apelo para que não haja "fitas" no Sporting-Benfica. Em entrevista à TSF, o presidente do Sporting diz que espera um bom espetáculo e manifesta confiança no árbitro Artur Soares Dias.

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.