sicnot

Perfil

Desporto

Bruno de Carvalho diz que Benfica não queria que Slimani jogasse o dérbi

O presidente do Sporting disse hoje que o Benfica fez uma "campanha tremenda" para que Slimani não jogasse o dérbi de sábado e salientou que a pacificação no futebol não se faz com "hipocrisia nem com falsas filosofias".

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

"Se tentaram durante meses que o Slimani não jogasse, ao menos que se remetessem ao silêncio porque este tipo de hipocrisia roça ao ridículo. Uma coisa são rivalidades e outra é tocarmos o ridículo. E não vale a pena. O Benfica não queria que o Slimani jogasse", afirmou Bruno de Carvalho.

O presidente do Sporting falava aos jornalistas na cidade da Praia, no quadro de uma visita a Cabo Verde, alguns dias depois de o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, ter pedido que nenhum jogador dos 'leões' fosse castigado em vésperas do dérbi da 25.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, no sábado.

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol tem em mãos um processo disciplinar no qual o avançado argelino é visado por uma alegada agressão ao grego Samaris, do Benfica, num encontro da Taça de Portugal, disputado a 21 de novembro de 2015.

Bruno de Carvalho disse que tudo o que for para pacificar o futebol é "sempre perfeito", mas salientou que a pacificação "não se faz com hipocrisia nem com falsas filosofias", mas sim encarando o futebol como ele é, com rivalidades, emoções e um espetáculo que gera polémicas.

"O Benfica, se o Sporting pudesse jogar só com um jogador, ficava feliz. Felizmente, vamos jogar com os nossos jogadores e vamos ficar à espera, porque continuo a dizer que todo este assunto Slimani e o seu desfecho vão demonstrar se o futebol português está a querer evoluir ou se está a querer regredir porque é uma situação absolutamente ridícula, que já deveria estar resolvida e sem castigo", continuou.

Bruno de Carvalho fez um apelo para que as atenções sejam concentradas no jogo dentro das quatro linhas, mas afirmou que não é politicamente correto nem hipócrita. "E não gosto que os outros sejam", sublinhou.

"Não vale a pena, a partir do momento em que foi feita uma campanha tremenda, a todos os níveis avassaladora para que o Slimani fosse castigado", reforçou Bruno de Carvalho, lembrando que a nível regulamentar isso já não era possível porque mesmo que fosse aplicado um castigo ao Slimani, o Sporting iria meter um recurso que teria efeito suspensivo.

"Não podemos querer ser os arautos do moralismo quando somos os primeiros a utilizar os jogos de bastidores para tudo", concluiu o presidente leonino, esperando, porém, que o jogo de sábado com o Benfica seja "um bom espetáculo e que corra tudo bem".

Lusa

  • "Deixem-se de fitas", pede Bruno de Carvalho
    1:15

    Desporto

    A pouco mais de 60 horas do dérbi de sábado, Bruno de Carvalho faz um apelo para que não haja "fitas" no Sporting-Benfica. Em entrevista à TSF, o presidente do Sporting diz que espera um bom espetáculo e manifesta confiança no árbitro Artur Soares Dias.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.