sicnot

Perfil

Desporto

Um detido à entrada para o dérbi entre Sporting e Benfica

Um adepto foi hoje detido antes do dérbi que opõe o Sporting ao Benfica, em jogo da 25.ª jornada da I Liga de futebol, informou a polícia cerca de uma hora antes do encontro, agendado para as 20:45.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Reuters Photographer / Reuter

O primeiro grupo de adeptos do Benfica, cerca de 150 não integrados na 'caixa de segurança' que viajou da Luz para o Estádio José de Alvalade, entrou no recinto 'leonino' às 18:52, depois de uma revista que decorreu dentro da normalidade.

"Foi feita uma viagem tranquila, apenas um detido (afeto ao Benfica), durante o cortejo, por posse de artefactos pirotécnicos", disse o comissário Rui Costa, da Polícia de Segurança Pública (PSP).

Além dos 2.651 bilhetes atribuídos aos adeptos do Benfica, cujo último grupo entrou para o estádio sensivelmente uma hora antes do jogo começar, cerca de 30 outros adquiram ingressos para outro setor do estádio.

Estes tentaram entrar para a zona onde estão os adeptos do Benfica, que está lotada. As autoridades procuram resolver a situação para que estes adeptos possam assistir ao jogo em segurança.

Sporting e Benfica, respetivamente líder e segundo classificado da I Liga, separados por um ponto, defrontam-se a partir das 20:45 com arbitragem de Artur Soares Dias.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.