sicnot

Perfil

Desporto

Nélson Évora acredita que vai estar no seu melhor nos Mundiais de atletismo 'indoor'

Nelson Évora disse hoje que espera estar ao melhor nível nos Mundiais de atletismo de pista coberta, em Portland, nos Estados Unidos, depois de ter vencido o concurso do triplo salto do Nacional da I Divisão em pista coberta.

Mas as lesões começaram a aparecer, a 'minar' a brilhante carreira. Em 2010, uma fratura de esforço na tíbia levou à primeira interrupção importante, falhando os Europeus.

Mas as lesões começaram a aparecer, a 'minar' a brilhante carreira. Em 2010, uma fratura de esforço na tíbia levou à primeira interrupção importante, falhando os Europeus.

© Kim Kyung Hoon / Reuters

"Treinei muito bem, sinto-me bem. É só acertar alguns aspetos. Hoje já tive boas sensações. Ganhei no único salto válido que fiz. Agora é continuar a trabalhar para ir mais além. Acredito que vou estar no meu melhor nos Mundiais", afirmou Nelson Évora no final da prova.

O atleta olímpico, que já conquistou uma medalha de bronze nos Mundiais de pista coberta de Valência, Espanha, em 2008, vai tentar terminar no pódio nos Estados Unidos.

"Tenho de me focar para estar o mais forte possível naquele dia. Parto dentro de dois ou três dias e, depois da viagem, é recuperar, acertar horas do 'jet lag' e preparar-me com alguns treinos técnicos para saltar de forma consistente. As medalhas? Vamos ver", afirmou.

Nos Nacionais de pista coberta da I Divisão, Nelson Évora sentiu "boas sensações", conseguindo vencer à vontade, com uma marca de 16,71 metros.

"Saltei um pouco melhor do que tenho vindo a saltar. Mas não era este resultado que estava propriamente à procura. Esperava mais próximo dos 17 metros, embora para o que tenho treinado, e para aquilo que me proponho, queira ir até um pouco mais longe do que isso. É uma questão de tempo".

Em todo o caso, o atleta conseguiu em Pombal a sua melhor marca do ano em pista coberta.

"Foi um salto controlado, ainda não 'esmifrado' e com todos os ingredientes para fazer um bom salto. Foi o que ficou e agora tenho de me contentar com isso e olhar para o Mundial e preparar-me", considerou.

Apesar de ter sido medalha de ouro no Europeu 'indoor' em 2015, em Praga, e de prometer o melhor para Portland, este mês, o atleta do Benfica assume que na pista coberta tem "bastantes dificuldades":

"Tenho de saltar com menos passos do que é normal. Desde muito novo, sempre gostei mais do ar livre. Gosto de chão a 'sério'!", brincou.

Os Mundiais de pista coberta de Portland, disputam-se entre 17 e 20 de março.

Lusa

  • Coreia do Norte lança novo míssil balístico

    Mundo

    O Pentágono detetou esta sexta-feira mais um lançamento de um míssil balístico por parte da Coreia do Norte. O primeiro-ministro japonês já confirmou o lançamento, que terá atingido a zona económica exclusiva, no Mar do Japão.

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.