sicnot

Perfil

Desporto

UEFA abre procedimento disciplinar após cânticos racistas de adeptos da Lazio

A UEFA abriu hoje um procedimento disciplinar contra a Lazio em face dos cânticos racistas entoados pelos seus adeptos no jogo de quinta-feira dos oitavos de final da Liga Europa de futebol contra o Sparta de Praga.

© David W Cerny / Reuters

A partida, que terminou com um empate 1-1, esteve interrompida na primeira parte, numa altura em que os adeptos da Lazio começaram a entoar cânticos racistas visando o defesa zimbabueano do Sparta Costa Nhamoinesu.

Os adeptos da Lazio são acusados de "comportamento racista" e de ter criado "'slogans' proibidos", indica a UEFA em comunicado.

O Sparta é igualmente visado por uma faixa contendo mensagens proibidas.

O assunto será tratado em reunião da Comissão de Ética e de Disciplina da UEFA, a 22 de março.

Em fevereiro, a Lazio foi multada em 50 mil euros e punida com dois jogos à porta fechada depois de os seus adeptos terem entoado insultos racistas contra o defesa senegalês do Nápoles Kalidou Koulibaly.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras