sicnot

Perfil

Desporto

Presidente do Benfica dispensa euforias em torno da equipa de futebol

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, dispensou hoje "qualquer tipo de euforias" em torno da equipa de futebol, considerando que o clube ainda não ganhou nada e que o excesso de entusiasmo "pode ser prejudicial".

Luís Filipe Vieira, presidente do SL Benfica.

Luís Filipe Vieira, presidente do SL Benfica.

LUSA

"Estamos a viver uma época intensa, desafiante e motivadora, mas convém dizer bem alto que ainda não ganhámos nada, que dispensamos qualquer tipo de euforias, porque, não só não fazem sentido, como podem ser prejudiciais às nossas ambições", afirmou.

O líder 'encarnado' discursava no início de um jantar com adeptos, em Beja, após a inauguração das novas instalações da Casa do Benfica da cidade e de ser recebido na câmara pelo presidente do município, João Rocha (CDU).

Luís Filipe Vieira reconheceu que "são tempos de acreditar, de apoiar a equipa e o clube", mas advertiu que "são tempos também de ter a humildade suficiente para perceber" que o clube enfrenta ainda "um caminho estreito e difícil".

"Nenhum cartaz vai ganhar campeonatos", insistiu, alertando que o clube pode "falhar no final" se não tiver a humildade de reconhecer que os próximos dois meses "vão ser muito duros" e se não tiver "capacidade de ganhar os jogos".

Nesse sentido, Luís Filipe Vieira pediu o "máximo apoio à equipa e euforia zero", até haver "alguma coisa para festejar".

"É verdade que o trabalho que fizemos até aqui alimentou a nossa ambição e a capacidade de podermos acreditar que somos capazes, mas temos de assumir que só em maio ganharemos alguma coisa", referiu.

No seu discurso, o presidente do Benfica destacou a equipa de futebol, "não só pelo que fez na última semana [subida à liderança da I Liga e apuramento para os quartos de final] e foi muito, mas pela capacidade que sempre teve durante todo o ano", manifestando orgulho por ver "uma equipa tão madura e com tantos jovens" da formação.

"Não foi fácil chegar aqui, porque nenhuma mudança é fácil", admitiu, frisando que sempre acreditou que "é possível" a equipa "ser competitiva olhando para a formação" e que o tempo e o treinador "provaram que sim".

O líder 'encarnado' considerou ainda que tem havido "muito ruído até aqui, continua a haver e vai, seguramente, aumentar", defendendo que "a melhor resposta é o silêncio".

"Respeitamos todos os nossos adversários e sabemos que o campeonato vai ser disputado até ao último jogo, mas quem vai decidir são os jogadores dentro de campo, mais ninguém, por muito esforço que façam", disse.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.