sicnot

Perfil

Desporto

"Os resultados não estiveram ao nível que exijo e que o clube requer"

O ex-treinador do Valencia Gary Neville admitiu hoje que os resultados alcançados pela equipa da Liga espanhola de futebol sob o seu comando técnico "não estiveram ao nível do que era exigido".

© Heino Kalis / Reuters

"Os resultados não estiveram ao nível que exijo e que o clube requer", escreveuG, em comunicado hoje divulgado.

O Valência anunciou hoje a rescisão do contrato com o treinador inglês que sucedeu no comando técnico da formação da Liga espanhola de futebol ao português Nuno Espírito Santo, em novembro de 2015.

"O Valência rescindiu hoje a sua relação contratual com Gary Neville como treinador da primeira equipa. Depois de analisar calmamente a situação desportiva, o clube decidiu fazer esta mudança em busca do melhor interesse para o Valência, tendo em vista o final da presente temporada", lê-se no comunicado do clube.

O clube, que nomeou Pako Ayestarán como técnico até ao final da época, agradeceu ainda o trabalho de Neville, desejando-lhe a melhor sorte no futuro.

"Gostaria de ter continuado o trabalho que comecei, mas entendo que estamos num negócio que se baseia em resultados", acrescenta o treinador inglês.

O sucessor de Gary Neville, de 53 anos, foi um dos adjuntos que acompanhou Quique Flores no Benfica, 2008/09, tendo assumido as funções de treinador principal em clubes como Estudiantes Tecos (México), Maccabi Telavive (Israel) e Santos Laguna (México). Antes, o ex-preparador físico passou ainda por Tenerife, Liverpool, Real Sociedad e Al Ahli.

Após 30 jornadas, o Valência, que foi quarto classificado em 2014/15, ocupa o 14.º lugar da Liga espanhola, com 34 pontos, mais seis do que o Getafe, 18.º e primeira equipa abaixo dos lugares de despromoção.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.